Remodelamento miocárdico reverso após substituição valvar

Após a substituição valvular aórtica a fibrose focal não se resolve, mas a fibrose difusa e a hipertrofia celular retrocedem. Como era de se esperar, esta regressão vem acompanhada com melhoras estruturais e funcionais que sugerem que o processo é dinâmico. A fibrose pode ser objetivada e quantificada com ressonância cardíaca, motivo pelo qual poderia ser um potencial objetivo terapêutico.

Remodelado miocárdico reverso luego del reemplazo valvularA hipertrofia ventricular esquerda é um processo chave de muitas cardiopatias e é resultado da hipertrofia celular e da expansão da matriz extracelular (fibrose intersticial). Este trabalho teve como objetivo investigar se a hipertrofia miocárdica e a fibrose intersticial no contexto de estenose aórtica severa são um processo dinâmico que pode se reverter.

Foram incluídos 181 pacientes sintomáticos com estenose aórtica severa (área valvar indexada de 0,4 ± 0,1 cm2/m2) que se encontravam em plano de substituição valvar. Além do ecocardiograma foram avaliados previamente ao procedimento com uma ressonância cardíaca (medição de volumes, função, fibrose focal e difusa), com biomarcadores (Pro BNP e troponina T ultrassensível) e teste da caminhada dos 6 minutos.


Leia também: As novidades dos guias Europeus em doença vascular periférica.


A ressonância foi utilizada para medir a fração de volume extracelular e assim poder deduzir o volume de massa da matriz e do volume celular. A biópsia descartou outras doenças miocárdicas subjacentes e todas as medições voltaram a ser feitas um ano após a substituição valvar.

116 pacientes que não requereram marca-passo mostraram no seguimento de um ano uma melhora significativa do gradiente médio (48 ± 16 mmHg a 12 ± 6 mmHg; p < 0,001) e a massa ventricular diminuiu 19%, o que representa uma redução significativa. A fibrose focal na ressonância com gadolínio não se modificou, mas a fração do volume extracelular se incrementou graças a uma redução de 16% do volume da matriz e a uma redução proporcionalmente maior do volume celular.


Leia também: ACC 2018 | Subanálise DEFINE-FLAIR: iFR mais cômodo, mais rápido e muito mais barato.


Todos as mudanças mencionadas vieram acompanhadas de melhora na função diastólica, diminuição dos níveis de Pro BNP, melhora do teste da caminhada dos 6 minutos e da classe funcional.

Conclusão

A fibrose difusa e a hipertrofia celular apresentam reversão após a substituição valvar, o que resulta em melhoras estruturais e funcionais.

Título original: Reverse Myocardial Remodeling Following Valve Replacement in Patients With Aortic Stenosis.

Referência: Thomas A. Treibel et al. J Am Coll Cardiol 2018;71:860–71.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top