Os Artigos Mais Lidos em Cardiología Intervencionista

1- O que fazer com níveis de pressão entre 130/80 e 139/89 mmHg?

A decisão a tomar em um paciente livre de tratamento que apresenta cifras de tensão arterial acima de 160 mmHg de sistólica ou 100 mmHg de diastólica é fácil e está respaldada pelos guias: é necessário iniciar o tratamento imediatamente juntamente com as mudanças no estilo de vida.

Leia mais AQUI

2- TAVI em baixo risco em voga em várias publicações

O implante percutâneo da valva aórtica em pacientes de baixo risco com estenose aórtica severa sintomática parece seguro após um ano. No seguimento tomográfico pôde-se observar somente uma minoria com engrossamentos com hipoatenuação das valvas após 30 dias, embora os mesmos não tivessem um impacto hemodinâmico a longo prazo. Cabe recordar que ainda não temos clareza de como manejar este achado/problema e que tampouco conhecemos o tratamento antiagregante/antitrombótico ótimo para o TAVI (tanto em geral quanto para as diferentes populações).

Leia mais AQUI

3- SOLACI 2019 Congress | Discover the Preliminary Scientific Program

We hereby present the preliminary scientific program for the SOLACI-SBHCI 2019 Congress that will take place from August 1st to 3rd at the Frei Caneca Convention Center in the city of São Paulo, Brazil.

Leia mais AQUI

4- A FDA afirma sinais de mortalidade com os dispositivos com paclitaxel

Evidentemente, não temos absolta clareza sobre o tema. A informação vai em outra direção (inclusive em nosso próprio site), expressando as idas e vindas no que se refere a esta informação nas principais publicações do mundo.

Leia mais AQUI

5- Risco cardiovascular, suspensão de dupla antiagregação e idade: o que é imprescindível saber?

A não aderência à dupla antiagregação varia com a idade e os pacientes com 75 anos ou mais são os que com maior frequência suspendem o tratamento. No entanto, esta característica dos pacientes idosos não se associou a mais eventos cardiovasculares.

Leia mais AQUI

6- Boas notícias após 3 anos para o “valve-in-valve”

Nesta nova era se inaugura a mudança de paradigma de tratar todo o espectro de pacientes com implante percutâneo da valva aórtica (TAVI) sem contemplar o risco como fator preponderante. Com a ampliação do espectro instaura-se o problema da durabilidade, motivo pelo qual qualquer trabalho com seguimento de longo prazo em qualquer contexto que se implante um TAVI será bem-vindo.

Leia mais AQUI

7- Novos fatores de risco: poluição do ar, temperatura do ar, dor e horas de sono

Tradicionalmente consideramos a idade, o sexo, a obesidade, a hipertensão, a dislipidemia, o tabagismo e a diabete como fatores de risco cardiovascular. No entanto, nesta nova era (onde serão fundamentais as mudanças no que se refere ao cuidado de nossa casa comum que é o planeta) surgem novos fatores, tais como a poluição, o ruído, a temperatura, as horas de sono e a qualidade do ar. Usualmente ditos elementos são menosprezados em comparação com os tradicionais, mas recentes estudos mostram que são tão importantes quanto os já estabelecidos.

Leia mais AQUI

8- Quinhentos anos do que talvez tenha sido o começo da cardiologia moderna

Tendo em vista o aniversário de 5 séculos da morte de Leonardo da Vinci (1452-1519), parece-nos mais que apropriado recordar seu apaixonado esforço por estudar o coração humano.

Leia maisAQUI

9- Medicação antianginosa antes e depois de uma recanalização

O incremento ou a redução da medicação antianginosa foi menos comum que a manutenção de todo o tratamento sem mudanças após uma recanalização de uma oclusão total crônica com pequenas variações. É necessário realizar mais estudos para saber que pacientes se beneficiariam ou não com estas drogas bem como desenvolver estratégias para ajustar o tratamento no seguimento.

Leia mais AQUI

10- Estratégias antitrombóticas em fibrilação atrial e angioplastia

Qual é a estratégia antitrombótica mais apropriada para um paciente com fibrilação atrial e doença coronariana, particularmente se dito paciente é admitido por uma síndrome coronariana aguda ou recebe angioplastia coronariana? Esta é uma pergunta que ainda está sendo respondida e, como sabemos, a literatura costuma ser dinâmica. O que lemos ontem pode ser velho hoje, embora o problema sempre seja o mesmo: um correto balanço entre risco isquêmico vs. risco de sangramento.

Leia mais AQUI


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top