Eletrocardiograma imediato pós-TAVI, a forma mais simples de prever transtornos de condução

Observando um simples eletrocardiograma de 12 derivações realizado imediatamente após o implante percutâneo da valva aórtica (TAVI), é seguro retirar imediatamente o marca-passo transitório em pacientes sem bloqueio do ramo direito que se encontrem em ritmo sinusal com um intervalo PR < 240 mseg e um intervalo QRS < 150 mseg. Caso o paciente se encontre em ritmo de fibrilação atrial, um intervalo QRS < 140 mseg também nos dá tranquilidade para retirar imediatamente o marca-passo transitório.

Poucos fatores de risco que nos façam prever um bloqueio de alto grau pós-TAVI foram identificados. Por dita razão, em muitas instituições é protocolo manter o marca-passo transitório por 24 ou 48 horas pós-procedimento, o que em muitos casos prolonga a estadia hospitalar desnecessariamente.

 

Este trabalho unicêntrico incluiu 467 pacientes consecutivos que receberam TAVI e que não tinham marca-passo prévio.


Leia também: Programas de exercícios na doença vascular periférica.


Utilizaram-se as válvulas autoexpansíveis, mecanicamente expansíveis e expansíveis por balão em 328 (78%), 61 (13%) e 78 (17%), respectivamente.

 

Para aqueles que finalizaram o procedimento sem bloqueio do ramo direito, o ritmo sinusal com um PR < 200 mseg e um QRS < 120 a chance de desenvolver um bloqueio de alto grau foi de 0 em 70 pacientes (0%). Desenvolveram bloqueio de alto grau 5 de 109 pacientes (4,6%), aqueles com um PR < 240 mseg e um QRS < 150 mseg (todos com um ritmo de escape suficiente).

 

Catorze dos 101 pacientes (13,9%) desenvolveram bloqueio de alto grau. Dentre eles, somente a metade apresentou um escape aceitável quando o PR era > 240 mseg e o QRS > 150 mseg.


Leia também: Segurança de diferir lesões com iFR ou FFR em pacientes estáveis e agudos.


Três de 49 pacientes (6,1%) desenvolveram bloqueio de alto grau tardio, todos com escape suficiente e 3 de 30 pacientes (10%), onde somente 2 tiveram escape suficiente, entre aqueles com fibrilação atrial, sem bloqueio do ramo direito e um QRS < 140 mseg e > 140 mseg, respectivamente.

 

Conclusão

Sobre a base do eletrocardiograma de 12 derivações é seguro tirar imediatamente o marca-passo transitório por TAVI se o paciente não tiver bloqueio do ramo direito e estiver em ritmo sinusal com um PR < 240 mseg e um QRS < 150 mseg; ou, caso se encontre em fibrilação atrial, se o QRS for < 140 mseg.

 

Título original: Immediate Post-Procedural 12-Lead Electrocardiography as Predictor of Late Conduction Defects After Transcatheter Aortic Valve Replacement.

Referência: Troels H. Jørgensen et al. J Am Coll Cardiol Intv 2018;11:1509–18.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top