Tag Archives: síndrome coronariano agudo

AHA 2019 | TWILIGHT: discontinuar la aspirina luego de un síndrome coronario agudo

AHA 2019 | TWILIGHT: descontinuar a aspirina após uma síndrome coronariana aguda

AHA 2019 | TWILIGHT: descontinuar a aspirina após uma síndrome coronariana aguda

Os achados deste trabalho confirmam um menor sangramento sem ônus em termos de eventos trombóticos ao suspender a aspirina após uma síndrome coronariana aguda.  Na mesma linha que o TWILIGHT original, este trabalho pôs o foco unicamente em pacientes com síndromes coronarianas agudas (excluindo pacientes com supradesnivelamento do segmento ST) e confirmou que suspender a

REVELATION: Balones liberadores de droga en infartos con supradesnivel del segmento ST

EuroPCR 2019 | REVELATION: Balões eluidores de droga em infartos com supradesnivelamento do segmento ST

Os balões eluidores de drogas no contexto de um infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST parecem ser seguros e factíveis sob certas circunstâncias. Este estudo unicêntrico deu o pontapé inicial para continuarmos estudando a possibilidade de “não deixar nada para trás” após uma angioplastia primária. Este pequeno estudo randomizado revitaliza os balões

Sair da sala de cirurgia após a revascularização miocárdica e requerer angioplastia: quão ruim pode ser isso?

A angioplastia intra-hospitalar após uma cirurgia de revascularização miocárdica é realmente pouco frequente, mas incrementa de maneira muito significativa a morbidade, a mortalidade e os custos hospitalares. Ainda não temos clareza sobre que preditores poderiam ser modificados para evitar estas coronariografias e angioplastias muito precoces em pacientes que, em geral, já saem da sala de

Momento ótimo para revascularizar um infarto com elevação transitória do ST

Aqueles pacientes que são admitidos cursando uma síndrome coronariana aguda com elevação transitória do segmento ST mas que logo depois o normalizam completamente (desaparecendo os sintomas antes de serem tratados) são os pacientes que habitualmente catalogamos como ‘cursando uma síndrome coronariana aguda sem elevação do segmento ST’. Isso é complexo, já que não está claro

É possível suspender os Betabloqueadores pós-infarto agudo do miocárdio

Os betabloqueadores (BB) foram a primeira medicação da história que tentou diminuir eventos após um infarto agudo do miocárdio há já muitíssimos anos. Entretanto, em todo o tempo transcorrido desde seu aparecimento em cena, outras medicações bem como a reperfusão surgiram como prevenção secundária que poderia fazer sombra àquele benefício original demonstrado pelos betabloqueadores. Este

MATRIX: Superioridad del acceso radial al año

ESC 2018 | MATRIX: Superioridade do acesso radial em um ano

A via de acesso radial deve ser a primeira opção em pacientes cursando uma síndrome coronariana aguda, ao passo que a bivalirudina não mostrou nenhum benefício. O seguimento a longo prazo do estudo MATRIX (Minimizing Adverse Hemorrhagic Events by Transradial Access Site and Systemic Implementation of Angiox) confirma os resultados obtidos em 30 dias: o

A noradrenalina parece superior à adrenalina em pacientes com choque cardiogênico

A noradrenalina (ou norepinefrina) parece ser uma escolha mais segura que a adrenalina (epinefrina) em pacientes cursando um infarto agudo do miocárdio complicado com choque cardiogênico segundo os resultados deste recente estudo randomizado. Os pacientes que receberam adrenalina foram mais propensos a desenvolver choque refratário, o que levou ao encerramento prematuro do estudo. A administração

Angioplastia em tronco de coronária esquerda vs. cirurgia

EuroPCR 2018 | TRANSIENT trial: Qual é o melhor momento para revascularizar uma SCA com elevação transitória do ST?

Este trabalho teve o objetivo de determinar o melhor momento para revascularizar um paciente admitido com síndrome coronariana aguda (SCA) com supradesnivelamento TRANSITÓRIO do ST. Esta população corresponde a 15% daqueles pacientes admitidos com supradesnivelamento do ST. A dúvida está entre intervir precocemente para reduzir a área do infarto (ou um eventual reinfarto) ou adiar

A combinação de diabete e síndrome coronariana aguda interfere na estratégia de revascularização?

Os resultados do estudo FREEDOM (Future Revascularization Evaluation in Patients With Diabetes Mellitus: Optimal Management of Multi-vessel Disease) demonstraram uma menor taxa de eventos em pacientes diabéticos com doença estável de múltiplos vasos randomizados a cirurgia de revascularização miocárdica em comparação com a angioplastia. A cirurgia mostrou inclusive uma redução da mortalidade no limite da significância

Top