Veja os artigos mais importantes de 2018 em doenças vasculares periféricas

1- As novidades dos guias Europeus em doença vascular periférica

Desde a última versão dos Guias Europeus para o diagnóstico e tratamento da doença vascular periférica de 2011 foram publicados muitos trabalhos e registros que justificam um ajuste em vários pontos. A grande novidade foi o “trabalho em equipe”, já que pela primeira vez os guias foram feitos em colaboração com a Sociedade Europeia de Cirurgia Vascular. Isso deu como fruto um documento com recomendações balanceadas entre os melhores Clínicos, Cirurgiões e Intervencionistas.

Leia mais 

 

2- Angioplastia vs. cirurgia em isquemia crítica a longo prazo

A isquemia crítica é a forma mais avançada da doença arterial periférica e se caracteriza por dor isquêmica de repouso e úlceras ou gangrena. A revascularização é – logicamente – a primeira linha de tratamento e os guias recomendam as duas estratégias possíveis (cirurgia ou angioplastia) baseando-se principalmente nos resultados do estudo BASIL (British Angioplasty versus Surgery in Ischemic Legs).

Leia mais 

 

3- EuroPCR 2018 | SPYRAL HTN-ON MED: O ressurgimento da denervação renal

Depois de vários trabalhos com resultados neutros, a denervação renal ficou esquecida por um longo tempo. No entanto, este novo trabalho apresentado no EuroPCR 2018 e publicado simultaneamente no LANCET revive a técnica com melhoras nos dispositivos que parecem se refletir também nos resultados.

Leia mais 

 

4- EuroPCR 2018 | RADIANCE-HTN SOLO: denervação renal guiada por ultrassom intravascular

Os pacientes elegíveis para este trabalho eram hipertensos tratados com até 2 medicações e uma pressão ambulatorial diurna ≥ 135/85mmHg e menor que 170/105 mmHg após um período de suspensão da medicação de 4 semanas.

Leia mais 

 

5- Terapia antitrombótica após um stent venoso: muito diferente do que ocorre com as coronárias

A terapia antitrombótica/antiplaquetária após um stent de 10,0 por 60 mm implantado na veia subclávia de um paciente com deficiência renal crônica deveria ser igual á de um stent 3,0 por 18 mm no segmento médio da artéria descendente anterior desse mesmo paciente? A prática diária de muitos Cardiologistas Intervencionistas que realizam ambos os procedimentos diria que sim. No entanto, este novo consenso nos dá uma informação completamente diferente, motivo pelo qual vale a pena uma leitura rápida.

Leia mais 

 

6- Custo-efetividade da reparação endovascular cirúrgica em aneurismas complexos

À medida que a reparação endovascular dos aneurismas de aorta foi se consolidando como a opção número um para aqueles aneurismas com colos adequados que cumprissem com as especificações dos fabricantes de dispositivos, novas tecnologias foram surgindo. Estas novas tecnologias permitiram expandir a indicação naquelas anatomias mais complexas, como as que incluem um colo curto ou ausente e envolvem ramos viscerais.

Leia mais 

 

7- Efeito de uma angioplastia carotídea expeditiva sobre os eventos recorrentes

Este trabalho mostra o benefício de reduzir o tempo de espera entre um evento agudo e a intervenção em pacientes com estenose carotídea severa sintomática. Os resultados respaldam o esforço de reduzir os tempos na abordagem com estes pacientes e inclusive estes tempos poderiam ser usados como um indicador de qualidade da prática clínica.

Leia mais 

 

8- Qual é o efeito das estatinas sobre as amputações e a sobrevida na doença vascular periférica?

A prevalência da doença arterial periférica é de entre 15 e 20% dos pacientes idosos a partir de 65 anos e sua gravidade está muito subestimada. De fato, a mortalidade anual é maior nos pacientes com doença arterial periférica (8,2%) do que a observada naqueles pós-infarto agudo do miocárdio (6,3%). Apesar disso, o conselho médico e os esforços para modificar fatores de risco estão muito abaixo do que é observado naqueles pacientes com doença coronariana ou AVC.

Leia mais 

 

9- TCT 2018 | IMPERIAL: primeiro estudo a comparar stents farmacológicos em território femoropoplíteo

O estudo Imperial comparou a segurança e a eficácia do stent autoexpansível de nitinol livre de polímero e eluidor de paclitaxel (Zilver PTX, Cook Medical, já aprovado pela FDA) e o stent autoexpansível de nitinol com polímero eluidor de paclitaxel (Eluvia, Boston Scientific).

Leia mais 

 

10- Os balões farmacológicos foram aprovados no teste de tempo em território femoropoplíteo

A revascularização endovascular se estabeleceu como a principal estratégia para os pacientes sintomáticos com doença arterial periférica em território femoropoplíteo. A angioplastia com balão convencional é efetiva no que se refere ao ganho de lúmen, mas apresenta uma taxa de reestenose de até 60% em 12 meses. O implante de stents convencionais reduziu a reestenose a quase a metade, mas associa-se a problemas como trombose, fratura do stent e dificuldade para tratar zonas de flexão.

Leia mais 

 

11- O seguimento com ecografia pós-endoprótese diminui em 90% a necessidade do uso de tomografias, mas é seguro?

Esta análise retrospectiva de 4 anos mostrou que um protocolo de seguimento pós-reparação endovascular baseado em ecografia com contraste é seguro e efetivo. A mortalidade relacionada ao aneurisma, a taxa de reintervenções, a retração do saco e a detecção de endoleaks foram similares às dos protocolos de seguimento baseados em tomografias.

Leia mais 


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top