TCT 2019 | COAPT: 3 anos de evolução. Do Estudo Randomizado MitraClip em pacientes com insuficiência cardíaca e regurgitação mitral secundária importante.

Gentileza da SBHCI.

Os pacientes com insuficiência cardíaca (ICC), no qual a insuficiência mitral (IM) se desenvolve secundária à dilatação e disfunção do ventrículo são de prognóstico reservado.

DESENHO DO ESTUDO: O estudo COAPT foi realizado em 78 centros dos EUA e Canadá e incluíram pacientes com IM moderada a importante (3+) ou importante (4+) e sintomas apesar do tratamento clínico otimizado. 614 pacientes foram randomizados para tratamento percutâneo da valva mitral mais tratamento clínico otimizado (grupo dispositivo 302 pacientes) vs. somente tratamento clínico otimizado (grupo controle 312 pacientes). O desfecho primário de eficácia foram as hospitalizações por todas as causas dentro dos 24 meses de seguimento e o desfecho de segurança foi a ausência de complicações relacionadas ao dispositivo em 12 meses. No grupo inicial de pacientes randomizados para tratamento clínico otimizado (312 pacientes), um total de 58 pacientes (18.6%) fizeram o crossover para MitraClip. Até 2 anos não era permitido o crossover para o grupo MitraClip por protocolo.

O objetivo do presente estudo foi apresentar as evoluções ao final de 3 anos dos pacientes incluídos no estudo COAPT, incluindo aqueles que fizeram o cross over para MitraClip e analisar o impacto do MitraClip neste subgrupo de pacientes comparado aos pacientes que permaneceram em tratamento clinico otimizado somente.

Os dados apresentados mostraram que o desfecho primário de eficácia para todas hospitalizações por ICC dentro de 36 meses foi 220 para o grupo MitraClip mais tratamento clínico otimizado x 378 no grupo tratamento clínico otimizado somente (HR [IC95%] = 0,49 [0,37 – 0,63], P=0,00000006).

Além disso, a taxa de complicações relacionadas ao dispositivo em 36 meses foi de 8,7% (1,4% relacionada ao dispositivo e 7,4% relacionada a insuficiência cardíaca progressiva).

Mortalidade por todas as causas para todos os pacientes incluindo os pacientes que fizeram o crossover ao final de 3 anos foi 42.8% para o grupo MitraClip mais tratmento clínico otimizado comparado a 55.5% para o grupo tratmento clínico otimizado (HR [IC95%] = 0,67 [0,52 – 0.85] P=0,001).

CONCLUSÕES: Em pacientes com Insuficiência Cardíaca e Insuficiência Mitral 3+/4+ que permanecem sintomáticos após o tratamento clínico otimizado:

Ao final de 36 meses, o tratamento percutâneo da Insuficiência mitral utilizando o MitraClip foi seguro, reduziu a taxa de hospitalizações por insuficiência cardíaca congestiva (ICC), melhorou a qualidade de vida e sobrevida e capacidade funcional quando comparada ao tratamento clínico otimizado somente.

Pacientes do grupo tratamento clínico otimizado inicial que durante a evolução fizeram o crossover e receberam o MitraClip, também apresentaram menos hospitalizações por ICC e mortes dentro de 12 meses, do que aqueles pacientes que não fizeram o crossover, com evoluções comparáveis aos pacientes originalmente tratados com MitraClip.

Gentileza da SBHCI.

Link a publicação da SBHCI AQUI

Descargar (PDF, Unknown)

Título do artigo original: COAPT: 3-Year Outcomes From a Randomized Trial of the MitraClip in Patients With Heart Failure and Severe Secondary Mitral Regurgitation.

Autor do artigo original: Michael J. Mack.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top