EuroPCR 2019 | BIO-RESORT e registro SCAAR: hastes ultrafinas também em vasos pequenos

Os dados dos estudos randomizados são respaldados também pelo registro SCAAR, no qual os stents com hastes ultrafinas mostram vantagens também no mundo real.

BIO-RESORT y registro SCAAR: Struts ultrafinos también en vasos pequeños

De acordo com o estudo BIO-RESORT, apresentado no primeiro dia do congresso anual do PCR e simultaneamente publicado no JAMA, os pacientes com vasos pequenos que receberam stents com hastes ultrafinas têm menos chances de revascularização após 3 anos que aqueles que receberam a primeira geração de stents com hastes finas.

Os stents com hastes ultrafinas teriam particular vantagem em vasos finos devido ao maior impacto relativo do tamanho da haste e ao lúmen do vaso.

Dos 3.514 pacientes incluídos neste trabalho de três braços, 1.506 apresentavam pelo menos uma lesão em um vaso com diâmetro de referência < 2,5 mm.


Leia também: EuroPCR 2019 | CHOICE: válvula balão expansível vs. autoexpansível em pacientes de alto risco.


Esta análise em vasos pequenos estava pré-especificada no protocolo original.

Para além do PCR, o registro sueco também mostrou vantagens com as hastes ultrafinas e não somente em vasos pequenos mas em uma grande população de pacientes. Esta vantagem está basicamente conduzida por uma menor revascularização.

O estudo BIO-RESORT recrutou pacientes em 4 centros holandeses entre dezembro de 2012 e agosto de 2015, randomizados ao stent de hastes ultrafinas eluidor de sirolimus Orsiro (Biotronik), ao stent de hastes finas eluidor de everolimus Synergy (Boston) ou ao stent eluidor de zotarolimus Resolute Integrity (Medtronic), que apresentam uma espessura de 60, 74 e 91 µm, respectivamente.

Aos 3 anos a falha da lesão alvo (definida como morte cardíaca, infarto relacionado ao vaso ou revascularização da lesão) mostrou uma tendência a ser mais baixa nos stents ultrafinos em comparação com os dos grupos de hastes finas (7% vs. 10%; p = 0,08).


Leia também: EuroPCR 2019 | Global Leaders: a monoterapia com ticagrelor a longo prazo poderia ter seu lugar em angioplastias complexas.


Ao considerar especificamente a revascularização, a diferença foi claramente significativa a favor das hastes ultrafinas (2,1% vs. 5,3%; p = 0,009). Esta diferença é vista somente após 2 e 3 anos.

Não houve diferenças entre os três dispositivos quando consideramos morte cardíaca, infarto relacionado ao vaso e trombose de stent.

Descargar (PDF, Unknown)

Descargar (PDF, Unknown)

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Outcomes in patients treated with thin-strut, very thin-strut, or ultrathin-strut drug-eluting stents in small coronary vessels: a prespecified analysis of the randomized BIO-RESORT trial.

Referencia: Buiten RA et al. JAMA Cardiol. 2019; Epub ahead of print.

Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top