Incidência e prognóstico de quando se produz a embolização de uma válvula

A incidência de embolização ou migração de uma válvula implantada por cateterismo é de tão somente 1%. No entanto, dita ocorrência se associa a um aumento da morbidade e da mortalidade. 

Trombólisis local en tromboembolismo pulmonar

A embolização ou migração da válvula após o implante é uma das complicações mais temidas por seu potencial para transformar o procedimento em uma catástrofe, mas pouco sabíamos de sua incidência (exceto por alguns relatos de um único centro) e – mais importante ainda – de seu impacto no prognóstico do paciente. 

Este trabalho, recentemente publicado no European Heart Journal, lança-nos algo de luz sobre este evento, já que avaliou uma grande coorte de pacientes tratados em 26 centros reconhecidos internacionalmente. 

Entre 2010 e 2017 a embolização ou migração da válvula ocorreu em 273 pacientes (0,92% de toda a coorte), dentre os quais a embolização ocorreu na aorta ascendente e em 56 no ventrículo esquerdo. O uso da prótese autoexpansível, de dispositivos de 1ª geração e as válvulas bicúspides foram os preditores independentes de embolização ou migração. 


Leia também: Tentando reduzir a insuficiência renal pós-TAVI.


As manobras de resgate para evitar uma catástrofe definitiva incluíram o uso de laços (41%), o implante de uma segunda válvula (83,2%) e a conversão a cirurgia (19%). 

Utilizando o propensity score foi possível emparelhar em uma razão de 1:4 uma coorte de 235 pacientes que apresentaram embolização e uma coorte de 932 pacientes que não apresentaram embolização. Na coorte que apresentou embolização observou-se um aumento da mortalidade por qualquer causa em 30 dias (18,6% vs. 4,9%; p < 0,001) e em um ano (30,5% vs. 16,6%; p < 0,001). Algo similar ocorreu com o AVC em 30 dias (10,6% vs. 2,8%; p < 0,001), mas dita diferença não se manteve em um ano.

A necessidade de suporte cardiovascular de emergência, o AVC maior em 30 dias e a injúria renal aguda incrementam o risco de mortalidade em um ano, ao passo que uma boa função renal basal foi protetora. 

Conclusão

A embolização ou migração de uma válvula implantada por cateterismo tem uma incidência de aproximadamente 1% e está associada a um aumento significativo da morbidade e da mortalidade. 

Título original: Incidence and outcome of peri-procedural transcatheter heart valve embolization and migration: the TRAVEL registry (TranscatheteR HeArt Valve EmboLization And Migration).

Referência: Won-Keun Kim et al. European Heart Journal (2019) 40, 3156–3165.



Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top