Tag Archives: mortalidade

A elevação de troponinas pós-TAVI tem relação com a mortalidade?

A elevação de troponinas pós-TAVI tem relação com a mortalidade?

Já faz muito tempo que as troponinas têm valor diagnóstico, e não só nos infartos. Sua capacidade de predizer mortalidade está bem demonstrada não somente nos infartos mas em qualquer outra afecção cardíaca. Está demonstrada, inclusive, em qualquer paciente crítico, sem importar sua doença de base, o que inclui os pacientes com COVID-19. Existe evidencia

ESC 2021 | Injuria aguda y crónica por COVID-19 y su impacto en la mortalidad

ESC 2021 | Injúria aguda e crônica por COVID-19 e seu impacto na mortalidade

Em pacientes convalescentes de COVID-19, tanto a injúria miocárdica aguda quanto a crônica impactam na sobrevida no seguimento de 6 meses. Além disso, embora o pico de risco se encontre no período mais precoce, não se restringe a este e pode chegar a vários meses mais.  Assim expressou este trabalho apresentado nas sessões científicas do

SAFE-PAD: Dispositivos liberadores de paclitaxel en enfermedad periférica

ACC 2021 | Dispositivos eluidores de paclitaxel em doença periférica

Este trabalho foi realizado em conjunto com a FDA para investigar a associação entre mortalidade por qualquer causa e os dispositivos eluidores de paclitaxel em doença vascular periférica.  Segundo os dados do SAFE-PAD apresentado no congresso do ACC 2021 e simultaneamente publicado na JAMA não existe um aumento da mortalidade em comparação com os dispositivos

El acceso radial se asocia a menor mortalidad y menor sangrado en los pacientes cursando un infarto con supradesnivel del segmento ST que reciben angioplastia primaria.

O acesso radial continua sendo a melhor opção para a angioplastia primária

O acesso radial se associa a menor mortalidade e menos sangramento nos pacientes cursando um infarto com supradesnivelamento se segmento ST que são submetidos a angioplastia primária.  Isso tinha sido colocado em dúvida pelo recente estudo SAFARI-STEMI, mas após incluir seus resultados para realizar uma nova metanálise a balança se inclinou claramente a favor do

balon farmacologico

Balões farmacológicos em isquemia crítica: o paradigma da evidência randomizada vs. os registros

Este trabalho com milhares de pacientes tratados com balões farmacológicos no contexto de uma isquemia crônica de membros inferiores não pôde mostrar a associação entre esses dispositivos e o aumento de mortalidade observado em alguns estudos randomizados.  A evidência a longo prazo de muitíssimos pacientes do mundo real se contrapõe com a dos estudos randomizados,

Tratamiento médico óptimo

O tratamento médico é mais efetivo que a angioplastia em diminuir a mortalidade por sangramento?

Os sangramentos após a alta em pacientes admitidos por uma síndrome coronariana aguda se associam com um incremento da mortalidade por qualquer causa. No entanto, isso é verdadeiro tanto para pacientes submetidos a angioplastia quanto para aqueles que são manejados com tratamento médico.  Os dados aqui apresentados são interessantes, já que é frequente que um

ACC 2020 virtual | Más evidencia que apoya las exigentes guías de hipertensión de 2017

ACC 2020 virtual | Mais evidência que respalda as exigentes diretrizes de hipertensão de 2017

Já transcorreu algum tempo após a publicação do duro e exigente documento de 2017 escrito em conjunto pela ACC e AHA no qual os valores de corte de hipertensão foram levados a limites que causaram muita controvérsia, tanto nos Estados Unidos como em toda a Europa. De fato, as diretrizes da ESC publicadas uns meses

Programas de ejercicios en la enfermedad vascular periférica

Quanto exercício deveríamos indicar para reduzir a mortalidade?

A atividade física demonstrou sua potencialidade na redução da mortalidade de uma maneira dose/resposta similar à de qualquer fármaco. Mas ainda há perguntas que devem ser respondidas. Algumas delas são: há um mínimo indispensável de exercício para obter benefícios? Há uma dose “tóxica de exercício”? E, finalmente, o exercício beneficia a todos por igual? Este

Saltearse el desayuno y riesgo cardiovascular

Saltar o café da manhã e risco cardiovascular

Vários estudos associaram o fato de saltar a primeira refeição do dia (não tomar o café da manhã ou fazê-lo muito frugalmente) com um aumento dos fatores de risco cardiometabólico como a obesidade, a hipertensão, a dislipidemia, diabetes e síndrome metabólica.  Este trabalho examinou toda a evidência disponível sobre não tomar o café da manhã

Nuevas guías de dislipemia

Consumo de ovos e mortalidade por eventos cardiovasculares

De acordo com este trabalho recentemente publicado na prestigiosa revista JAMA, o consumo elevado de colesterol ou de ovos (cujas gemas apresentam uma alta concentração de dito lipídio) se associa significativamente a um maior risco de eventos cardiovasculares e mortalidade por qualquer causa, com uma curva típica de dose/efeito. Segundo os autores, esta informação deveria

Top