TCT 2020 | O TAVI parece ser a solução para todas as válvulas biológicas disfuncionais

O implante percutâneo da valva aórtica (TAVI) é durável em seguimento de 5 anos para tratar válvulas biológicas cirúrgicas disfuncionais e em seguimento de 1 ano para tratar válvulas por cateter. Seja qual for a origem da válvula disfuncional prévia, a solução é o TAVI.

TCT 2020 | El TAVI parece la solución para todas las válvulas biológicas disfuncionantes

O seguimento do PARTNER 2 valve in valve (ViV) mostrou que o TAVI como tratamento para uma válvula cirúrgica disfuncionante em pacientes de risco alto ou extremo tem um prognóstico similar ao TAVI sobre uma valva nativa e em pacientes de moderado risco. O benefício em termos hemodinâmicos, capacidade funcional e qualidade de vida se mantém.

O PARTNER 2 ViV incluiu 365 pacientes (idade média de 79 anos) com um risco cirúrgico alto ou extremo (STS médio 9,1%) e estenose severa por disfunção severa de uma prótese biológica de mas de 21 mm de diâmetro para serem tratadas com uma Sapien XT 23 ou 26 mm.

Em 5 anos de seguimento a mortalidade por qualquer causa foi de 50,6% e a disfunção severa da nova prótese foi de 2,3%.


Leia também: TCT 2020 | Diferenças em AVC entre a SAPIEN 3 e a EVOLUT R que geram surpresa.


Na mesma sessão do TCT 2020 foi apresentado o registro internacional TRANSIT, que mostrou o TAVI como uma opção segura e efetiva para tratar um TAVI prévio com a válvula disfuncional.

Pensar em um segundo TAVI quando a primeira válvula falhou severamente parece lógico já que a opção cirúrgica foi descartada no primeiro procedimento.

Foram registrados 172 pacientes submetidos a TAVI para tratar um TAVI deteriorado sendo os mecanismos de falha mais frequentes a insuficiência (n = 97), a estenose (n = 57) e por último a doença mista (n = 18).


Leia também: TCT 2020 | Menos sintomas e eventos ao otimizar com iFR.


A segunda prótese foi implantada com sucesso em todos os pacientes, embora segundo os critérios VARC 2 o sucesso tenha sido de 79%. Isso fundamentalmente por 14% de gradiente residual e 7% de insuficiência.

A mortalidade total e a mortalidade cardiovascular foram de 10% e de 5,8%, respectivamente. Outros eventos adversos registrados em um ano de seguimento foram a hospitalização por insuficiência cardíaca (11%), AVC (3,5%), trombose valvular (1,4%) e infarto do miocárdio (1,2%). Somente 12,8% persistiu em CF III-IV em um ano.

Título original: Five-year follow-up from the aortic valve-in-valve registries y TRANSIT: treatment of failed TAVR with TAVR.

Referência: Hahn RT y Testa L. Ambos trabajos fueron presentados durante el TCT 2020 virtual.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

*

Top