Avaliação funcional das estenoses coronarianas na vida real: a ficha ainda não caiu

O uso da avaliação funcional das estenoses coronarianas (seguindo a recomendação classe IA, tanto dos guias americanos quanto dos europeus) não chega a 50% na prática clínica diária. A realidade é que mais da metade dos operadores continuam confiando cegamente na angiografia. A adoção da fisiologia coronariana para a tomada de decisões teve uma grande dispersão através dos países, centros e operadores.

Evaluación funcional de las estenosis coronarias en la vida real: todavía no hicimos el click.O estudo ERIS (Evolving Routine Standards of FFR Use), do qual participaram 76 centros italianos, incluiu pacientes consecutivos durante um período de 60 dias e avaliou a adoção da fisiologia coronariana na prática diária, bem como as razões para não a usar.

 

Dois grupos de pacientes pré-especificados foram incluídos: 1) aqueles pacientes que foram testados por operadores que habitualmente utilizam FFR/iFR e aqueles pacientes (grupo 2) que foram tratados por operadores que decidiram não utilizar avaliação funcional. Os dois grupos de pacientes eram similares em suas características basais.


Leia também: O maior registro sobre a válvula ACURATE Neo.


Foram incluídos 1.858 pacientes em total (1.177 no grupo cujos operadores utilizam habitualmente FFR/iFR e 681 pacientes no grupo cujos operadores utilizam a estimação visual). A avaliação fisiológica foi utilizada em 7% das angiografias e em 13% do total das angioplastias. Tal nível de utilização teve correspondência com somente 48% do que sugerem os guias.

 

A razão principal para não utilizar o FFR/iFR foi que os operadores consideraram suficientes os dados clínicos e angiográficos para a tomada de decisões. Nesta análise os operadores tinham as ferramentas à mão para serem utilizadas, mas simplesmente confiaram na angiografia. Outra realidade sobre o grau de utilização da avaliação funcional tem a ver com aqueles lugares onde também entram em jogo razões administrativas e de cobertura dos planos de saúde. Se toda a evidência a favor do FFR/iFR é suficiente para convencer somente a metade dos operadores, o que podemos esperar dos financiadores da saúde que têm que cobrir os custos do procedimento.

 

Conclusão

A avaliação funcional das estenoses coronarianas na prática diária alcança aproximadamente 50% do que os Guias atualmente recomendam. A maior limitação foi que simplesmente os operadores se sentiram seguros com a estimação visual das lesões.

 

Título original: Evolving Routine Standards in Invasive Hemodynamic Assessment of Coronary Stenosis. The Nationwide Italian SICI-GISE Cross-Sectional ERIS Study.

Referência: Matteo Tebaldi et al. J Am Coll Cardiol Intv 2018. On line before print.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top