Endarterectomia da câmara femoral mais angioplastia em isquemia crítica

Este trabalho prospectivo analisou pacientes com isquemia crítica de membros inferiores (derivadas de múltiplas e complexas lesões em vários territórios) que foram tratados de maneira homogênea com endarterectomia da câmara femoral em combinação com angioplastia para melhorar a entrada ou a saída. 

Por primera vez un estudio confirma que las pantallas de protección plomadas resguardan de la radiación a todo el personal de la sala de cateterismos

Este tratamento híbrido e necessariamente em equipe pode ser de grande benefício neste grupo de pacientes de alto risco e com doença extensa. 

Para todos os pacientes planejou-se realizar em um só procedimento a endarterectomia da câmara femoral somada a um procedimento endovascular para melhorar a entrada, a saída ou ambas.

O desfecho primário foi a perviedade primária e os secundários foram o sucesso técnico, a morbidade e mortalidade perioperatória, perviedade primária assistida, perviedade secundária, revascularização da lesão alvo justificada pela clínica e a sobrevida livre de amputação. 

Os pacientes se agruparam em três grupo de acordo com a zona de tratamento endovascular: no grupo 1 foi tratada a entrada (n = 60); no grupo 2, a saída (n = 46) e no grupo 3, a entrada e a saída (n = 53).


Leia também: Doenças malignas e estenose aórtica: o TAVI é justificável?


Todos os grupos compartilharam a necessidade de realizar endarterectomia da câmara femoral.

A morbidade do procedimento foi de 14% e a mortalidade foi de 2%. Tais taxas parecem altas, mas devemos considerar o grupo de especial risco incluído no estudo. 

A perviedade primária em dois anos foi significativamente menor naqueles pacientes que requeriam tratamento endovascular na entrada e na saída (53,9% ± 7,1%; p < 0,001).


Leia também: Será o alinhamento da prótese às comissuras nativas o segredo da obstrução coronariana?


O comprimento da lesão, uma oclusão total crônica, a calcificação severa, a revascularização incompleta e a dislipidemia foram preditores independentes de perda de perviedade primária. 

Conclusão

A endarterectomia da câmara femoral combinada com tratamento endovascular na entrada ou na saída em pacientes com isquemia crítica de membros inferiores mostrou uma aceitável taxa de perviedade apesar da necessidade de reintervenções. Os resultados deste trabalho respaldam a recomendação de organizar o ou, eventualmente, os procedimentos de revascularização de acordo com o risco do paciente e com a extensão da doença vascular. 

Título original: Midterm Outcomes of Common Femoral Endarterectomy Combined with Inflow and Outflow Endovascular Treatment for Chronic Limb Threatening Ischaemia.

Referência: Ahmed Elbadawy et al. Eur J Vasc Endovasc Surg 2020, article in press.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top