É importante ter experiência individual no TAVI?

Gentileza do Dr. Carlos Fava.

O TAVI surgiu como uma experiência bem-sucedida nos pacientes inoperáveis e não inferior em termos de risco alto e intermediário. Embora a evolução de acordo com a experiência dos centros tenha sido avaliada, até a atualidade dispomos de pouca informação no que se refere à experiência individual de cada operador.

Terapia endovascular en stroke: mucha evidencia y pocos operadores entrenadosNo presente estudo foram analisados 8.771 procedimentos realizados por 207 operadores distintos. Foram considerados operadores de alto volume os que realizaram ≥ 80 procedimentos por ano. Excluiu-se a “curva de aprendizagem” dos operadores para mitigar as complicações que pudessem trazer algum viés aos resultados.

 

Os operadores de alto volume apresentaram, em termos hospitalares, menor risco de mortalidade, AVC e IAM (odds ratio: 0,59; 95% intervalo de confiança: 0,37 a 0,93) em comparação com os operadores de baixo volume.


Leia também: É possível relacionar mortalidade e volume de angioplastias de um centro?


Aqueles operadores que realizaram > 200 procedimentos no ano prévio apresentaram menor risco de AVC pós-procedimento (odds ratio: 0,41; 95% intervalo de confiança: 0,17 a 0,97) e menos eventos hospitalares (odds ratio: 0,45; 95% intervalo de confiança: 0,26 a 0,78).

 

Conclusão

O aumento da experiência dos operadores se associa a uma melhora em termos de risco ajustado na evolução hospitalar. Estes resultados têm uma potencial importância para o treinamento individual e para os programas hospitalares de TAVI.

 

Gentileza do Dr. Carlos Fava.

 

Título original: Individual Operator Experience and Outcomes in Transcatheter Aortic Valve Replacement.

Referência: Arash Salemi, ET AL. Article in Press


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top