Os artigos mais lidos de outubro em cardiología intervencionista

1- Incidência e prognóstico de quando se produz a embolização de uma válvula

A incidência de embolização ou migração de uma válvula implantada por cateterismo é de tão somente 1%. No entanto, dita ocorrência se associa a um aumento da morbidade e da mortalidade. 

Leia mais AQUI

2- 1000 MitraClips, os resultados do centro com mais experiência de todo o mundo

Em setembro de 2008 os intervencionistas do Heart and Vascular Centre Hamburg tiveram a primeira experiência com o dispositivo MitraClip depois de o mesmo ter obtido o CE-mark na Europa. Em julho de 2019, o mesmo centro alcançou o incrível número de 1.000 MitraClips, tornando-se assim o centro com a maior experiência acumulada em todo o mundo. 

Leia mais AQUI

3- Entrevistas SOLACI | Dra. Carla Agatiello: “Nosso objetivo com o Grupo MIL é criar uma rede de colaboração entre mulheres em toda a América Latina”

A maior preponderância mundial da mulher é uma realidade incontestável que vem gerando mudanças em diferentes esferas da vida cotidiana. No mundo da cardiologia intervencionista, a proporção das mulheres em relação aos homens, historicamente foi muito baixa. No entanto, este processo lentamente está começando a mudar, devido ao fato de cada vez mais mulheres demonstrarem interesse pela especialidade. 

Leia mais AQUI

4- Veja as apresentações das Jornadas Panamá 2019

As XXXIX Jornadas Regionais da SOLACI, realizadas no Panamá, foram um acontecimento científico de grande êxito. Importantes profissionais em hemodinâmica de toda a América Latina expuseram e compartilharam seus conhecimentos em um âmbito de clima assaz respeitoso e fraterno. 

Leia mais AQUI

5- Recanalização coronariana vs. intraplaca: os resultados se modificam?

As recanalizações coronarianas são difíceis e há várias estratégias para conseguir realizá-las e melhorar seu sucesso técnico. Algumas destas estratégias implicam fazer o cruzamento do segmento ocluído por via subintimal e outras intraplaca sem sair do lúmen verdadeiro. No entanto, há escassa ou nenhuma informação sobre os resultados de ambas as estratégias. 

Leia mais AQUI

6- O TAVI proporciona melhor qualidade de vida aos pacientes de baixo risco

Como todos sabemos, o TAVI está avançando de forma categórica nos pacientes de baixo risco. A novidade é que, além da análise dos eventos mais significativos, também se está estudando cada vez mais intensamente o conforto que o procedimento proporciona, não somente no âmbito hospitalar mas também em um ano. 

Leia mais AQUI

7- TCT 2019 | Angioplastia em lesões estáveis: antes do TAVI, durante o TAVI ou nunca?

Este interessante trabalho apresentado no TCT 2019 e simultaneamente publicado no Am J Cardiol nos diz que a angioplastia em lesões estáveis não parece reduzir o risco em pacientes com estenose aórtica severa que recebem implante percutâneo da valva aórtica (TAVI).

Leia mais AQUI

8- TCT 2019 | AUGUSTUS ACS: Apixabana vs. Varfarina e Aspirina vs. Placebo em FA e SCA

A segurança e eficácia dos tratamentos antitrombóticos e antiplaquetários nos pacientes com fibrilação atrial que estão cursando uma síndrome coronariana aguda (e recebendo tratamento médico ou angioplastia) pode ser diferente do que ocorre com aqueles pacientes que são tratados de maneira eletiva.

Leia mais AQUI

9- Metanálise dos grandes estudos sobre TAVI em baixo risco: a evidência é consistente

Esta metanálise que incluiu os 4 grandes estudos randomizados sobre TAVI vs. cirurgia em pacientes de baixo risco foi publicado recentemente no JACC e mostrou que o implante percutâneo se associa de maneira significativa a uma menor mortalidade que a cirurgia em seguimento de um ano. 

Leia mais AQUI

10- TCT 2019 | EXCEL: a angioplastia do tronco da coronária esquerda apresenta resultados favoráveis no seguimento de 5 anos

A ATC do tronco da coronária esquerda não protegido (TCE NP) com stents eluidores de droga emergiu como uma estratégia aceitável em um grupo selecionado de pacientes, com resultados comparáveis aos da cirurgia de revascularização miocárdica (CRM) em 2 ou 3 anos. No entanto, para além desse período não dispúnhamos de informação válida.

Leia mais AQUI



Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top