Metanálise dos grandes estudos sobre TAVI em baixo risco: a evidência é consistente

Esta metanálise que incluiu os 4 grandes estudos randomizados sobre TAVI vs. cirurgia em pacientes de baixo risco foi publicado recentemente no JACC e mostrou que o implante percutâneo se associa de maneira significativa a uma menor mortalidade que a cirurgia em seguimento de um ano. 

Estes resultados respaldam ainda mais a evidência de que todo o espectro de risco pode ser tratado com TAVI em vez de cirurgia em pacientes candidatos a uma prótese biológica. 

Os 4 estudos randomizados (NOTION, Surtavi, Evolut low risk e Partner 3) foram escolhidos por incluir todos os pacientes com um STS < 4%. O desfecho primário foi a mortalidade por qualquer causa em um ano. 

Em total, foram randomizados 2.887 pacientes (1.497 para TAVI e 1.390 para cirurgia) com uma idade média de 75,4 anos e um STS-PROM médio de 2,3%. 


Leia também: 1000 MitraClips, os resultados do centro com mais experiência de todo o mundo


Em comparação com o implante cirúrgico, o percutâneo se associou a um significativo menor risco de morte por qualquer causa (2,1% vs. 3,5%; RR: 0,61; IC 95%: 0,39 a 0,96; p = 0,03) e de morte cardiovascular (1,6% vs. 2,9%; RR: 0,55; IC 95% 0,33 a 0,90; p = 0,02) em um ano. 

A taxa de nova fibrilação atrial, sangramento com comprometimento da vida e insuficiência renal aguda foram mais frequentes com a cirurgia, ao passo que a taxa de necessidade de marca-passo definitivo e de regurgitação paravalvar moderada a severa foi mais frequente com o TAVI. 

Não foram observadas diferenças significativas entre ambas as estratégias em termos de complicações vasculares maiores, endocardite, reintervenções e classe funcional pós-procedimento. 

Conclusão

Nesta metanálise dos grandes estudos randomizados que compararam o implante cirúrgico com o percutâneo observou-se que o TAVI apresenta uma mortalidade por qualquer causa em um ano significativamente menor. Estes resultados respaldam a ideia de que o TAVI seja a estratégia de escolha em todos os pacientes (sem considerar o risco) que apresentem estenose aórtica severa e para os quais se planeje o implante de uma prótese biológica. 

Título original: Transcatheter Versus Surgical Aortic Valve Replacement in Low-Risk Patients.

Referência: Dhaval Kolte et al. J Am Coll Cardiol 2019;74:1532–40.



Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top