ACC 2020 Virtual | COAPT: melhor qualidade de vida que se traduz em melhora em pontos mais duros

Após a reparação mitral com MitraClip nos pacientes do estudo COAPT, foi observada uma melhora da qualidade de vida, bem como uma melhor sobrevida e uma redução nas internações por insuficiência cardíaca no seguimento a longo prazo. 

ACC 2020 Virtual | COAPT: mejor calidad de vida que se traduce en puntos más duros

A melhora na qualidade de vida já tinha sido demonstrada há justo um ano no congresso da ACC 2019. Naquele momento ficou estabelecido que o MitraClip diminuía os sintomas em comparação com o tratamento padrão. 

A atual análise devia ser apresentada no congresso da ACC 2020 em conjunto com o Congresso Mundial de Cardiologia e, além disso, simultaneamente publicada no J Am Coll Cardiol. Infelizmente não foi possível realizar a apresentação oficial devido ao fato de o evento ter sido suspenso por causa da pandemia de coronavírus. Felizmente, as novidades deste estudo chegam a nós por via virtual. 


Leia também: ACC 2020 Virtual | Isquemia miocárdica induzida por brusco aumento do estresse emocional.


Os novos dados indicam que a melhora nos escores de qualidade de vida se traduzem, com o tempo, em prognóstico, e isso sem importar a estratégia que tenha sido empregada inicialmente. Em outras palavras, a melhora na qualidade de vida seria uma espécie de marcador de outras mudanças mais difíceis de quantificar como a anatomia, a fisiologia e a hemodinâmica. Os pacientes que receberam tratamento médico ótimo e conseguiram melhorar sua qualidade de vida no início do estudo também melhoraram no seguimento. 

O COAPT original mostrou que em 2 anos os pacientes com insuficiência cardíaca e insuficiência mitral funcional severa tiveram menos hospitalizações e menos mortalidade (sendo este último um desfecho secundário).

A presente análise fez foco em 551 pacientes que sobreviveram ao primeiro mês do procedimento e preencheram os formulários de qualidade de vida (279 no grupo MitraClip e 272 no grupo tratamento médico). Os pacientes com MitraClip tiveram chances de melhorar mais de 10 pontos no escores (grupo MitraClip 58% vs. grupo tratamento médico 26%).


Leia também: ACC 2020 Virtual | As estatinas também poderiam proteger a cardiotoxicidade da quimioterapia.


Por cada 10 pontos extras no escore de qualidade de vida [Kansas City Cardiomyopathy Questionnaire (KCCQ)] houve uma diminuição de 14% de chance de novas internações ou morte. 

Título original: Health status changes and outcomes in patients with heart failure and mitral regurgitation: from COAPT. 

Referência: Arnold SV et al. J Am Coll Cardiol. 2020; Epub ahead of print.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top