É necessário ter uma consulta com um cardiologista antes da endarterectomia da carótida?

As complicações cardíacas estão entre as mais frequentes nos pacientes que são submetidos a endarterectomia da carótida para lesões assintomáticas. 

Otro “escándalo” en la medicina basada en la evidencia ¿El monitoreo ambulatorio de presión puesto en duda?

Tal excesso de eventos cardíacos em um paciente sem sintomas neurológicos por sua lesão carotídea é fundamental para balancear o risco/benefício do procedimento. 

Uma consulta cardiológica de rotina prévia à cirurgia poderia diminuir a taxa de infarto perioperatório, as complicações em geral e inclusive a mortalidade. 

Nós, cardiologistas intervencionistas, apuramos a técnica, testamos diferentes sistemas de proteção cerebral, bem como novos stents visando a diminuir os AVCs (especialmente os AVCs menores periprocedimento) e prometendo também reduzir os eventos cardíacos em comparação com os cirurgiões. 

Por outro lado, os cirurgiões têm uma ferramenta mais simples, barata e rápida para melhorar seu tendão de Aquiles. 


Leia também: Calcificación del tracto de salida y la mejor válvula en este contexto.


Foram incluídos na análise quase 2000 pacientes consecutivos que receberam endarterectomia da carótida por uma estenose assintomática entre 2007 e 2017.

Entre 2007 e 2012 somente pacientes selecionados tiveram consultas cardiológicas e, a partir de 2012, a consulta foi estabelecida como rotina. 

O grupo incluído a partir de 2012 apresentou mais frequentemente o antecedente de uma intervenção coronariana (0,5% vs. 5,1%; p < 0,001), também com maior frequência recebiam antiagregação (4,6% vs. 9,5%; p = 0,001), mais estatinas (60,3% vs. 72,4%; p < 0,001) e mais drogas cardiovasculares em geral (1,77 ± 1,22 vs. 1,92 ± 1,23; p = 0,01) no momento da cirurgia.


Leia também: ESC 2020 | El ticagrelor puede aumentar los sangrados y la mortalidad en añosos.


Os eventos neurológicos foram similares em ambos os grupos (0,8% vs. 0,3%; p = 0,20) e a mortalidade hospitalar foi idêntica (0,1%; p = 1).

A diferença foi observada no que se refere às complicações cardíacas em geral (3,4% vs. 1,9%; p = 0,05) e aos infartos do miocárdio em particular (1,6% vs. 0,6%; p = 0,05). 

A análise multivariada confirmou que a consulta cardiológica de rotina é um preditor independente de infarto (OR: 0,61; p = 0,04) e de complicações cardiológicas.


Leia também: ESC 2020 | El Rivaroxaban puede reducir los eventos cardíacos, cerebrales y periféricos.


Em 5 anos a sobrevida foi similar (84,2% vs. 82,4%; p = 0,72) mas com um número significativamente mais baixo de mortes cardíacas no grupo com consulta cardiológica. 

Conclusão

A consulta cardiológica de rotina antes de uma endarterectomia da carótida em pacientes com lesões assintomáticas reduz os infartos perioperatórios e a mortalidade cardíaca a longo prazo. Este protocolo deve ser considerado para maximizar o risco/benefício da endarterectomia. 

Título original: Clinical Impact of Routine Cardiology Consultation Prior to Elective Carotid Endarterectomy in Neurologically Asymptomatic Patients.

Referência: Francesco Squizzato et al. Eur J Vasc Endovasc Surg, article in press. https://doi.org/10.1016/j.ejvs.2019.11.007.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top