TCT 2020 | Angioplastia preventiva para placas vulneráveis

Os pacientes com placas vulneráveis identificados por ultrassom intravascular (IVUS) e espectrografia infravermelha (NIRS) apresentam um maior risco de eventos cardiovasculares adversos. 

TCT 2020 | Angioplastia preventiva para placas vulnerables

Revascularizar essas lesões vulneráveis poderia prevenir eventos clínicos. Esta é a teoria da angioplastia preventiva que ainda tem que ser demonstrada na prática clínica. 

O estudo PROSPECT ABSORB e o PROSPECT II (que fez parte do primeiro) analisaram a história natural dos pacientes com placas vulneráveis tratados com a plataforma bioabsorvível, já descontinuada. 

Este trabalho foi o primeiro estudo randomizado que comparou a revascularização preventiva vs. o tratamento médico ótimo em lesões funcionalmente não significativas, mas com um grande volume de placa. 

O PROSPECT II incluiu 898 pacientes com infarto com ou sem supradesnivelamento do ST que foram submetidos a angioplastia bem-sucedida do vaso culpado e avaliados com NIRS e IVUS no resto da árvore coronariana. 


Leia também: TCT 2020 | Utilidade do exame OCT para detectar placas vulneráveis inclusive com FFR negativo.


O PROSPECT ABSORB incluiu 182 pacientes que apresentavam mais de uma lesão não culpada com um volume de placa de ao menos 65% por IVUS. Ditos pacientes foram randomizados a revascularização com ABSORB vs. tratamento médico. 

O desfecho primário combinado de morte cardíaca, infarto relacionado com o vaso ou revascularização justificada pela clínica ocorreu em 4,3% do grupo ABSORB vs. 4,5% do grupo tratamento médico (p = 0,96).  

Após 2 anos de seguimento observou-se que a área luminal mínima das lesões objetivadas por IVUS foi significativamente maior no grupo revascularização que no grupo tratamento médico. A área luminal mínima das placas que receberam tratamento médico se manteve estável e não foi observada progressão. 


Leia também: O diagnóstico não invasivo de vasoespasmo soma evidência.


A diferença em termos de eventos clínicos se deu com base em episódios de angina severa, um desfecho mole que torna controversa a hipótese da angioplastia preventiva. 

Título original: Percutaneous coronary intervention for vulnerable coronary atherosclerotic plaque.

Referência: Stone GW et al. JAm Coll Cardiol. 2020; Epub ahead of print y presentado en forma virtual en el TCT 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top