DES de 2ª vs. 3ª geração em bifurcações: nada novo sob o sol

O objetivo deste trabalho foi avaliar os resultados das lesões de bifurcação tipo Medina 1, 1, 1 que foram tratadas com técnica de Cullote utilizando DES de última geração. O dispositivo de 2ª geração utilizado foi um dos que possui mais evidência: o stent eluidor de everolimus com polímero permanente Xience. No entanto, para o de 3ª geração usou-se o stent de hastes finas, polímero bioabsorvível e eluidor de everolimus abluminal SYNERGY.

DES de 2° vs 3° generación en bifurcaciones: nada nuevo bajo el solOs pacientes com bifurcações tipo Medina 1,1,1 passíveis de angioplastia com a técnica do Cullote foram randomizados 1:1 para stent Xience vs. Synergy, completando um total de 170 pacientes.

 

A taxa de eventos combinados (morte, infarto agudo de miocárdio, AVC, falha do vaso alvo, trombose do stent ou reestenose binária) ocorreu em 19% dos Xience vs. 16% dos Synergy, alcançando este último o critério de não inferioridade.

 

Título original: Culotte stenting for coronary bifurcation lesions with 2nd and 3rd
generation everolimus-eluting stents: the CELTIC Bifurcation Study.

Apresentador: David P. Foley.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top