Gradiente vs. fluxo para determinar a severidade da valva aórtica antes e depois do TAVI

A queda da pressão vs. as curvas de fluxo oferecem uma síntese fundamental da dinâmica de fluidos para descrever a fisiopatologia da valva aórtica. A estenose aórtica severa não é simplesmente um orifício (como sugeriu Gorlin) ou um segmento que oferece resistência. No entanto, uma vez implantada a nova válvula por cateter, esta se comporta puramente como um segmento que oferece resistência.

gradiente vs flujoNo momento em que se infunde o pico de dose de dobutamina, a relação entre as pressões do ventrículo esquerdo e da aorta no período sistólico de ejeção são uma espécie de “fluxo fracionado de reserva” da valva aórtica que se aproximam bastante da complexa dinâmica de fluidos que se produzem no segmento.

 

Devido ao fato de a medição de gradientes ou fluxos em repouso não poder predizer com exatidão as mudanças hemodinâmicas que vão ocorrer durante o estresse, é necessário que haja esse “fluxo fracionado de reserva valvar” em pacientes com sintomas de esforço e estenose moderada em repouso.


Leia também: TAVI em pacientes com baixo fluxo, baixo gradiente clássico.


A ecografia e a tomografia podem documentar as mudanças dinâmicas da geometria e a severidade da estenose valvar durante o repouso ou o estresse induzido. Para além disso, ainda não tinha sido descrita a correlação entre a pressão e o gradiente.

 

Foram incluídos 16 pacientes que receberam TAVI para realizar infusão de dobutamina enquanto um guia de pressão de 0,0014” na aorta e no ventrículo esquerdo registravam o gradiente transvalvar. Simultaneamente um cateter de Swan Ganz registrava o volume minuto termodiluição. O procedimento se realizou antes e depois do implante valvar.

 

Tanto os modelos de resistência linear quanto os de orifício quadrático em repouso puderam predizer os resultados durante o estresse.


Leia também: Que pacientes com baixo fluxo e baixo gradiente se beneficiam com a substituição valvar?


A relação entre a pressão aórtica e a do ventrículo esquerdo no período sistólico de ejeção sob estresse com dobutamina foi o que melhor se correlacionou com a melhora do fluxo pós-TAVI.

 

Após o TAVI, uma relação altamente linear indica que a válvula protética se comporta como um segmento de resistência.

 

Título original: Pressure gradient vs. flow relationships to characterize the physiology of a severely stenotic aortic valve before and after transcatheter valve implantation.

Referência: Nils P. Johnson et al. European Heart Journal (2018) 39, 2646–2655.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top