ESC 2019 | Pure: o índice de massa corporal não tem boa correlação com os eventos cardiovasculares

Este estudo populacional concluiu que o risco de mortalidade por qualquer causa diminui com o índice de massa corporal (BMI), mas não necessariamente menos BMI é melhor.

baixo IMC PREDITOR

De fato, a menor mortalidade nesta análise global foi observada nos pacientes que tinham uma faixa média de BMI.

Outras medidas antropométricas como a relação cintura/quadril e a força/peso são melhores que o BMI para predizer eventos cardiovasculares e mortalidade.

Uma das formas nas quais este trabalho poderia afetar a prática clínica diária é em não fazer tanto foco na perda de peso como um objetivo mas sim dedicar mais esforço a incrementar o exercício a força.


Leia também: ESC 2019 | HOPE 4: derrubar barreiras para tratar fatores de risco em países em desenvolvimento.


Para este trabalho, foi feito o seguimento de 142.410 pacientes (entre 35 e 70 anos) de 21 países por uma média de 9,5 anos. A análise foi ajustada por idade, sexo, região geográfica, nível de educação, atividade física, consumo de álcool e tabaco, hipertensão e diabetes.

A distribuição do BMI variou segundo as regiões geográficas entre 23% e 12%.

Título original: New insights into anthropometrics and cardiovascular outcomes in 142,000 adults from 21 countries followed for 9 years – a PURE study.

Referência: Leong DP presentado en el congreso de la ESC 2019. Paris, Francia.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top