ACC Virtual 2020 | CARAVAGGIO: Apixabana em tromboembolismo venoso associado ao câncer

A apixabana oral foi não inferior à dalteparina subcutânea para o tratamento do tromboembolismo venoso associado ao câncer sem que tenha sido observado um incremento dos sangramentos maiores. 

As diretrizes mais recentes recomendam o uso de edoxabana ou rivaroxabana para o tratamento do tromboembolismo venoso associado ao câncer. No entanto, a evidência dos novos anticoagulantes em dito contexto é limitada e o possível aumento dos sangramentos é a maior preocupação. 

O estudo CARAVAGGIO randomizou mais de 1100 pacientes consecutivos com câncer e trombose venosa profunda proximal sintomática, incidental ou tromboembolismo pulmonar a receberem apixabana (10 mg duas vezes por dia durante uma semana e depois 5 mg por dia) vs. dalteparina subcutânea (200 UI/kg uma vez por dia durante o primeiro mês e depois 150 UI/kg por dia). O tratamento foi administrado por seis meses. 

Ocorreu tromboembolismo recorrente (desfecho primário de eficácia) em 5,6% do grupo apixabana vs. 7,9% no grupo dalteparina (p < 0,001 para não inferioridade). 


Leia também: ACC Virtual 2020 | TICO: monoterapia de ticagrelor em síndromes coronarianas agudas.


O sangramento maior ocorreu em 3,8% do grupo apixabana vs. 4% do grupo dalteparina (p = 0,6). 

Conclusão

A apixabana via oral foi não inferior à dalteparina subcutânea para tratar o tromboembolismo venoso associado ao câncer sem aumento do risco de sangramento maior. 

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Apixaban for the Treatment of Venous Thromboembolism Associated with Cancer.

Referência: Giancarlo Agnelli et al. NEJM online before print y presentado en forma virtual en el ACC 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top