EuroPCR 2020 | Revascularização vs. tratamento médico inicial em pacientes crônicos

Não existe uma vantagem em termos de mortalidade com a revascularização coronariana invasiva em comparação com o tratamento médico inicial em pacientes com doença coronariana crônica.

Revascularización vs tratamiento médico inicial en pacientes crónicos

No entanto, segundo esta nova metanálise publicada no Circulation e apresentada de maneira virtual no EuroPCR 2020, a revascularização conseguiu reduzir a incidência de angina instável e os sintomas anginosos. 

Globalmente não conseguiu mostrar uma diferença significativa em termos de infartos espontâneos, mas sim uma tendência. Esta pequena redução, se existir, existe a expensas de mais infartos periprocedimento. 

Os autores deste trabalho coincidem com fato de os resultados serem similares aos do ISCHEMIA. 

O ISCHEMIA, com 4 anos de seguimento, mostrou uma tendência a mais infartos (basicamente periprocedimento) no ramo revascularização durante os primeiros 6 meses. À medida que o seguimento foi avançando, as curvas de infartos se cruzaram devido a uma maior taxa de infartos espontâneos no ramo de tratamento conservador. 


Leia também: Tipos de anestesia e seu impacto nas endopróteses eletivas.


Esta metanálise incluiu 14 estudos randomizados entre os quais obviamente está o ISCHEMIA. Talvez os critérios de inclusão tenham sido demasiadamente amplos no afã de somar pacientes com estudos como o COURAGE e o BARI 2D, que foram levados a cabo entre 1990 e 2000, ou inclusive o MASS, publicado antes e com apenas 214 pacientes. Esses pacientes não receberam nem a revascularização nem o tratamento médico que temos hoje. 

A enorme maioria dos 14 877 pacientes incluídos tiveram em comum uma fração de ejeção preservada, escassos sintomas (classe funcional I/II) e a ausência de lesão no tronco da coronária esquerda. 

Oito dos estudos incluíram stents em ao menos 50% das revascularizações, ao passo que os stents farmacológicos foram usados somente no FAME 2, no ISCHEMIA e no ISCHEMIA CKD. Esses dados apartam o estudo da prática clínica atual. 


Leia também: Injúria miocárdica em mais de um terço dos infectados por COVID-19.


A redução em termos de infartos no ramo revascularização se evidencia especialmente quando são analisados os dados dos estudos mais contemporâneos que incluíram stents como estratégia de revascularização (RR 0,89; 95% CI 0,80-0,998).

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Routine revascularization versus initial medical therapy for stable ischemic heart disease: a systematic review and meta-analysis of randomized trials.

Referência: Bangalore S et al. Circulation. 2020; Epub ahead of print y presentado en forma virtual en el EuroPCR 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top