EuroPCR 2021 | As hastes ultrafinas se consolidam como a seguinte evolução dos DES

Segundo uma recente metanálise de estudos randomizados, os dispositivos com struts ultrafinos foram associados a menor taxa de falha de vaso alvo em comparação com os stents farmacológicos (DES) de 2ª geração. Esta vantagem resultou na redução das reintervenções justificadas pela clínica. 

EuroPCR 2021 | Los struts ultrafinos se afianzan como la siguiente evolución de los DES

Este trabalho foi publicado no European Heart Journal e apresentado simultaneamente durante as sessões científicas do EuroPCR 2021.

Os struts mais finos ofereceriam a vantagem de produzir menor inflamação, menor dano no vaso, menor trombose e requerem menor proliferação endotelial para serem cobertos.  

Uma metanálise realizada em 2018 e publicada no Circulation já tinha mostrado esses resultados, embora com um seguimento de apenas um ano. O trabalho apresentado agora no EuroPCR inclui mais estudos randomizados e levou o seguimento até uma média de 2,5 anos.

Observou-se uma redução da revascularização da lesão alvo de cerca de 25% e de falha do vaso alvo de 16% em 2,5 anos. A trombose e os infartos relacionados com o vaso mostraram uma tendência a favor dos struts ultrafinos, mas não alcançaram a significância estatística. 

Para chegar a esses números, foram analisados 16 estudos randomizados com mais de 20.000 pacientes que compararam os DES com struts ultrafinos vs. os DES de 2ª geração. O corte para considerar ultrafino um stent foi a espessura das hastes ≤ 70 mícrons, dentre os quais estão o Orsiro, o MiStent, o BioMime e o SupraFlex.


Leia também: EuroPCR 2021 | Evolut Low Risk: resultados em 2 anos da válvula autoexpansível em baixo risco.


Dentre os DES de 2º geração encontramos o Xience, o Resolute, o Nobori, o BioFreedom e o Endeavor. 

Comparados com estes últimos, os stents ultrafinos mostraram um risco relativo de falha da lesão alvo de 0,85 (IC 95%, 0,76 a 0,96) com uma redução similar durante e depois do primeiro ano. A redução em termos da falha do vaso alvo foi idêntica.

A maior diferença foi observada na revascularização justificada pela clínica com um risco relativo de 0,75 (IC 95%, 0,62 a 0,92).


Leia também: ACC 2021 | ATLANTIS 4D-CT: apixabana e trombose subclínica pós-TAVI.


O risco relativo mostrou uma tendência a favor dos stents ultrafinos em desfechos como infarto e trombose do stent.

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Long-term follow-up after ultrathin vs. conventional 2nd-generation drug-eluting stents: a systematic review andmeta-analysis of randomized controlled trials.

Referência: Madhavan MV et al. Eur Heart J. 2021; Epub ahead of print y presentado simultáneamente en el EuroPCR 2021.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

*

Top