Os 10 artigos mais lidos de Janeiro

1- Veja os artigos mais importantes de 2018 em doenças coronarianas

Leia os melhores artigos sobre doenças cardíacas coronárias no site da solaci em 2018

Leia mais 

 

2- Os 10 mandamentos dos novos guias de infarto com ST da ESC

Os autores elaboram um editorial e um resumo muito aprazível dos pontos mais importantes e das diferenças entre os novos guias de infarto com supradesnivelamento do segmento ST e os anteriores de 2014. A enumeração do mais importante em 10 pontos à imagem dos “mandamentos” faz com que valha a pena uma leitura rápida, proposta bem diferente da sempre maçante tarefa de ler um guia completo.

Leia mais 

 

3- “Troponinemia”: um termo que trivializa o aumento inespecífico de troponina

A elevação de troponinas é um achado comum em pacientes agudos que são admitidos por um serviço de emergências, inclusive em ausência de um evento coronariano agudo. Há pacientes nos quais simplesmente não podemos identificar a origem desta elevação de troponina. Inicialmente, confiamos neste marcador como exclusivamente marcador de uma síndrome coronariana aguda, e foi assim que muitos pacientes – apesar de apresentarem sinais e sintomas de outras doenças e eletrocardiogramas não concludentes –, quando apresentavam a troponina elevada, mais cedo ou mais tarde terminavam na sala de cateterismo.

Leia mais 

 

4- Os “10 mandamentos” europeus em revascularização miocárdica

Os novos guias europeus sobre revascularização miocárdica foram elaborados com um esforço conjunto da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) e da Associação Europeia de Cirurgia Cardiovascular (EACTS). Estes guias têm o objetivo de dar suporte à prática clínica com recomendações pragmáticas baseadas na evidência disponível hoje em dia e com experiência pessoal na ausência de dita evidência.

Leia mais 

 

5- Novos guias de Hipertensão Arterial

A espera finalmente terminou: os guias de hipertensão sobre os quais se esteve trabalhando por mais de 3 anos foram revelados nas sessões científicas do American Heart Association (AHA) 2017.

Leia mais 

6- Os 10 mandamentos da 4ª definição universal de infarto

A 4ª definição universal de infarto foi um documento desenvolvido conjuntamente pela Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC), o colégio Americano de Cardiologia (ACC), a Associação Americana de Cardiologia (AHA) e a Federação mundial do coração (WHF).

Leia mais 

 

7- Os stents eluidores de everolimus finalmente têm um rival e não somente um stent “não inferior”

Neste grande estudo randomizado foram observadas diferenças significativas tanto em termos de falha da lesão alvo quanto no que se refere a infarto relacionado com o vaso, que persistem após 2 anos de seguimento e favorecem o stent eluidor de sirolimus com hastes ultrafinas e polímero reabsorvível (Orsiro) vs. o stent que poderíamos considerar o “gold standard” eluidor de everolimus com polímero permanente (Xience).

Leia mais 

8- Angioplastia da artéria descendente anterior proximal: como é sua evolução a longo prazo?

Determinadas lesões coronarianas foram historicamente desaconselhadas para o tratamento endovascular. Entre elas, a lesão de tronco da coronária esquerda, a doença de múltiplos vasos e a lesão proximal da artéria descendente anterior. De fato, esta última é considerada separadamente como critério para escolher o método de revascularização.

Leia mais 

 

9- A técnica na angioplastia do tronco pode modificar o tempo de dupla antiagregação

Até 20% dos pacientes que recebem angioplastia no tronco da coronária esquerda requerem uma técnica com 2 stents, e seria de se esperar que este número cresça após a publicação do DKCRUSH-V. No entanto, este trabalho contradiz o DKCRUSH-V e volta à teoria de que “mais simples é melhor”, já que os pacientes que receberam um só stent apresentaram menos revascularizações e menos falhas da lesão que quando usaram 2 stents. Inclusive vai além do anteriormente afirmado e sugere-nos que deveríamos prolongar o tempo de antiagregação plaquetária quando utilizamos a técnica de 2 stents.

Leia mais 

 

10- O que fazer com níveis de pressão entre 130/80 e 139/89 mmHg?

A decisão a tomar em um paciente livre de tratamento que apresenta cifras de tensão arterial acima de 160 mmHg de sistólica ou 100 mmHg de diastólica é fácil e está respaldada pelos guias: é necessário iniciar o tratamento imediatamente juntamente com as mudanças no estilo de vida.

Leia mais 


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top