FFR para predizer o resultado das pontes: puro benefício em uma população demasiadamente pura?

As pontes coronarianas anastomosadas a um vaso com FFR (fluxo fracionado de reserva) normal ou quase normal têm menor perviedade após um ano em comparação com as pontes anastomosadas a vasos com lesões funcionalmente significativas demonstradas por FFR.

FFR para guiar la revascularización en SCA

No entanto, o recente estudo FARGO (Fractional Flow Reserve Versus Angiography Randomization for Graft Optimization) não mostrou diferenças em termos de perviedade em 100 pacientes incluídos (14,5% vs. 14,3%; p = 0,97). Esse trabalho, somado à escassa evidência disponível, mostrou a possibilidade de que o FFR não tenha realmente um papel importante nos pacientes que são submetidos a cirurgia de revascularização miocárdica além da intuição fisiopatológica que qualquer um de nós pode ter.

Agora foi publicado on-line – antes da publicação em formato impresso – no European Heart Journal o estudo IMPAG (Impact of Preoperative FFR on Arterial Bypass Graft Anastomotic Function) que sugere que as medições pré-operatórias de FFR se associam claramente à perviedade das pontes após 6 meses de uma revascularização em todas as pontes arteriais. Os autores examinaram 199 lesões em 67 pacientes com uma média de FFR de 0,73 nos vasos alvo.


Leia também: Coração e cérebro: fatores de risco, fibrilação atrial e demência.


O protocolo incluía uma angiografia aos 6 meses de maneira cega onde se atribuía 0 para as pontes ocluídas, 1 quando o fluxo era predominantemente pela artéria nativa, 2 quando o fluxo era balanceado e 3 quando a artéria nativa só era observável pela ponte.

Os escores de 0 a 2 foram considerados não funcionais e 3 foi considerado funcional.

Em 6 meses, 49 das 199 pontes foram consideradas não funcionais (24%), dentre as quais 50% estavam diretamente ocluídas. O FFR pré-operatório se associou significativamente à função das pontes após 6 meses para todos os dutos e todos os vasos alvo (p < 0,001).

O melhor corte de FFR para predizer isso foi ≤ 0,78 e não o clássico 0,8.


Leia também: Angioplastia e necessidade de anticoagulação: qual a melhor estratégia?


Ninguém ficou surpreendido com o fato de a medição do FFR e da porcentagem de estenose por angiografia terem uma pobre correlação. Essa é a razão pela qual o estudo conclui que é o FFR e não o diâmetro de estenose angiográfica que prediz a perviedade das pontes.

Esse dado demonstra a já conhecida limitação da angiografia, embora na prática clínica cotidiana sejam feitas pontes em todas as lesões com uma obstrução angiográfica > 50%.

O estudo tem algumas limitações, como o escasso número de pacientes, o curto período de seguimento (6 meses) e o fato de as pontes terem sido arteriais (este último detalhe está algo distante da clínica diária).

Em estudos prévios o mesmo autor mostrou que a pressão distal em uma ponte venosa é quase igual à aórtica (0,4 mmHg de diferença), o que minimiza o risco de concorrência. Apesar disso, as pontes venosas são mais tendentes à oclusão que as arteriais.


Leia também: A FDA faz uma nova atualização sobre os dispositivos com paclitaxel.


As pontes arteriais, ao contrário, mostram uma maior queda de pressão com relação à aorta (1-3 mmHg em repouso e até 9 mmHg em hiperemia), o que as torna mais suscetíveis à concorrência crônica de fluxo. Isso poderia explicar por que as pontes arteriais se beneficiam mais da medição de fluxo pré-operatória.

Título original: Impact of preoperative fractional flow reserve on arterial bypass graft anastomotic function: the IMPAG trial.

Referência: David Glineur et al. European Heart Journal (2019) 0, 1–9.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top