ESC 2020 | Dapagliflozina em insuficiência renal: a droga continua conquistando outros territórios

O estudo DAPA-CKD mostrou que a dapagliflozina, um inibidor do receptor SGLT2, melhora a função renal, reduz os eventos cardiovasculares e reduz a mortalidade. 

Dapagliflozina en insuficiencia renal

A afirmação anterior é válida não importando o fato de o paciente ser ou não ser diabético. Os pacientes com insuficiência renal crônica randomizados a dapagliflozina melhoram sua função renal, diminuem seus eventos cardiovasculares e aumentam a sobrevida. 

O desfecho primário combinado de uma deterioração superior a 50% da filtração glomerular, insuficiência renal crônica terminal ou morte cardiovascular foi menos frequente nos pacientes tratados com dapagliflozina vs. placebo (HR 0,61; 95% CI 0,51-0,72). O número necessário de pacientes a tratar para evitar um evento é de 19.

O desfecho combinado de morte cardiovascular e hospitalizações por insuficiência cardíaca teve uma redução de quase 30% em termos relativos (HR 0,71; 95% CI 0,55-0,92), algo similar ao observado no estudo DAPA-HF.


Leia também: ESC 2020 | A disfunção ventricular pode inclinar a balança para decidir a revascularização.


A dapagliflozina e outros inibidores do cotransportador sódio-glicose 2 foram inicialmente desenvolvidos para tratar a diabetes tipo 2 mas seus benefícios renais e cardiovasculares, inclusive em pacientes não diabéticos, já não são postos em dúvida. 

O DAPA-CKD foi designado especificamente para avaliar a dapagliflozina em pacientes com deterioração renal. Foram incluídos 4304 pacientes com uma filtração glomerular de entre 25 e 75 ml/min/1.73m2, com uma idade média de 62 anos e praticamente todos recebendo um inibidor da enzima de conversão ou bloqueador de receptor de angiotensina. 

Em março de 2020 o comitê de segurança recomendou deter o recrutamento devido ao claro benefício a favor do braço tratamento. 


Leia também: ESC 2020 | Os anti-hipertensivos diminuem eventos sem importar a cifra da pressão ou o risco.


Cada componente por separado foi numericamente inferior ao placebo mas alcançaram a significância por si mesmos na deterioração da função renal > 50% (HR 0,53) e na insuficiência renal terminal (HR 0,64).

Estes resultados foram consistentes em todos os subgrupos, inclusive entre os não diabéticos. 

Título original: DAPA-CKD: dapagliflozin in patients with chronic kidney disease.

Referência: Heerspink H. presentado en el ESC virtual 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

One Comment;

*

Top