ESC 2020 | A disfunção ventricular pode inclinar a balança para decidir a revascularização

Os pacientes incluídos no estudo ISCHEMIA que tinham o antecedente de insuficiência cardíaca ou deterioração da função ventricular se beneficiaram da revascularização vs. os que receberam tratamento médico. Esta é uma análise pré-especificada do paradigmático estudo ISCHEMIA. 

ESC 2020 | La disfunción ventricular puede inclinar la balanza para decidir la revascularización

O estudo ISCHEMIA foi publicado em março de 2020 no NEJM e passou algo despercebido pela comunidade médica devido à pandemia por COVID-19.

Naquele momento também foi publicado o ISCHEMIA-CKD, uma análise de uma população de maior risco basal (pacientes com insuficiência renal crônica) na qual tampouco foi possível provar o benefício da revascularização. 

Agora chega do Congresso ESC 2020 informação de outro subgrupo de alto risco: os pacientes com insuficiência cardíaca ou deterioração da função ventricular. 

Os achados sugerem que os pacientes estáveis com isquemia moderada a severa e evidência de deterioração leve da função ventricular se beneficiam de uma terapia mais invasiva como a revascularização (com angioplastia ou cirurgia).


Leia também: ACC 2020 Virtual | O controverso estudo ISCHEMIA chega finalmente a NEJM.


Segundo o Dr. Renato Lopes, apresentador e autor principal do trabalho, esses resultados são somente geradores de hipóteses dado o pequeno número de pacientes com deterioração da função ventricular incluídos no estudo. 

Dos 5129 incluídos no ISCHEMIA apenas 4% tinham histórico de insuficiência cardíaca e somente 1,1% tinham sido hospitalizados por esta causa. A função ventricular média da população global foi de 60% vs. 44% neste pequeno subgrupo de maior risco. 

O desfecho combinado ocorreu em 17,2% dos pacientes submetidos a revascularização vs. 29,3% dos que receberam tratamento conservador (p = 0,055).


Leia também: AHA 2019 | ISCHEMIA: A estratégia invasiva é similar ao tratamento médico.


O tipo de revascularização esteve dividida entre angioplastia e cirurgia, que podiam se diferenciar nos riscos imediatos e na proteção de futuros eventos a longo prazo. 

Estes resultados vão na mesma direção que o estudo STITCHES e requerem mais investigação. 

Título original: Initial invasive versus conservative management for stable ischemic heart disease with a history of heart failure or left ventricular dysfunction: insights from the ISCHEMIA trial.

Referência: Lopes R, et al. Presentado en forma virtual en el congreso ESC 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top