O acesso radial é o preferido sempre, inclusive para tratar o tronco da coronária esquerda.

A possível necessidade de um cateter-guia 7 Fr, vários cateteres coronarianos, kissing balloon e o indispensável controle com IVUS foi a desculpa durante muito tempo para que alguns Cardiologistas Intervencionistas se resistissem ao acesso radial e de alguma maneira a angioplastia no tronco da coronária esquerda foi o último bastião do acesso femoral.

acceso_radialIsso já não condiz com a prática contemporânea, já que a artéria radial se tornou o acesso predominante para a angioplastia no tronco da coronária esquerda não protegido e isso se associa a menor permanência no hospital, menos complicações vasculares e menos sangramentos maiores relacionados ao acesso femoral.

 

Utilizando a base de dados da British Cardiovascular Intervention Society avaliou-se a tendência temporal, os preditores e os resultados do acesso radial vs. femoral para tratar o tronco da coronária esquerda. Em total, analisaram-se 19.482 angioplastias de tronco realizadas entre 2007 e 2014 utilizando regressão logística para identificar os preditores da escolha do acesso e os resultados.


Leia também: Balão expansível vs. autoexpansível: Cada válvula com seu anel.


A frequência do acesso femoral caiu de 77,7% em 2007 para 31,7% em 2014 (p < 0,001 para a tendência). Nos últimos anos analisados, observou-se uma forte associação entre o uso de acesso femoral e doença renal crônica, tratamento de reestenoses, oclusão total associada e o sexo feminino.

 

O uso de ultrassom intravascular e anticoagulação crônica se associaram mais fortemente ao uso do acesso radial. A complexidade anatômica tratada por este acesso foi crescendo permanentemente à medida que os anos foram passando.

 

A estadia hospitalar (2,6 ± 9,2 vs. 3,6 ± 9,0; p < 0,001) ou inclusive a alta no mesmo dia do procedimento foram significativamente mais frequentes com o acesso radial (43,0% vs. 26,6%; p < 0,001).


Leia também: Os stents eluidores de everolimus finalmente têm um rival e não somente um stent “não inferior”.


Após realizar múltiplos ajustes com o propensity score, o acesso radial se associou a reduções significativas dos eventos intra-hospitalares, incluindo complicações relacionadas ao acesso, sangramento maior e eventos cardiovasculares adversos maiores, sem, no entanto, diminuir a mortalidade.

 

Título original: Access Site and Outcomes for Unprotected Left Main Stem Percutaneous Coronary Intervention. An Analysis of the British Cardiovascular Intervention Society Database.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top