Infartos periprocedimiento em angioplastia vs. em cirurgia do tronco da coronária esquerda

Segundo o estudo EXCEL os infartos periprocedimento foram mais comuns após a cirurgia do tronco da coronária esquerda em comparação com a angioplastia, o que se associou de maneira contundente com um aumento da mortalidade após 3 anos depois do controle de todos os possíveis elementos de confusão. Este aumento da mortalidade foi observado somente nos infartos grandes com aumento da CK-MB ≥ 10.

Momento óptimo para revascularizar un infarto con elevación transitoria del ST

Aparentemente o EXCEL quer competir no número de subestudos com o SYNTAX. Todos os meses vemos a publicação de algum trabalho novo que surge a partir da experimentação com os dados do EXCEL.

Neste trabalho em particular examinou-se a taxa de mortalidade após 3 anos dos pacientes que apresentaram ou não um infarto periprocedimento no contexto da revascularização do tronco da coronária esquerda randomizados a angioplastia com o stent eluidor de everolimus ou a cirurgia deste grande estudo multicêntrico, prospectivo e randomizado que foi o EXCEL.

Por protocolo especificaram-se critérios idênticos para definir infarto periprocedimento para ambas as estratégias de tratamento: uma elevação da CK-MB > 10 acima do limite superior dentro das 72 horas do procedimento, ou > 5 com novas ondas Q, oclusão de um vaso por angiografia ou perda de massa miocárdica em um estudo de imagens.


Leia também: Alta no dia seguinte pós-TAVI: a segurança é a mesma para todas as válvulas?


Em total foram incluídos 1.858 pacientes, dentre os quais 34 dos 935 que receberam angioplastias (3,6%) cumpriram critérios de infarto periprocedimento. Para o braço cirúrgico esta proporção foi ide de 56/923 (6,1%) (odds ratio 0,61, IC 95% 0,40–0,93; p = 0,02).

Os infartos periprocedimento se associaram à complexidade anatômica (SYNTAX score), doença pulmonar obstrutiva crônica, tempo de clamping e tempo total do procedimento e o fato de não utilizar a cardioplegia anterógrada.

Os infartos periprocedimiento quase triplicaram a mortalidade após 3 anos (HR: 2,63, IC 95% 1,19–5,81; p = 0,02). Este efeito foi consistente para ambas as estratégias de revascularização.


Lea también: A avaliação funcional das lesões avança também com ressonância magnética.


O critério de uma CK-MB pico ≥ 10 se associou claramente à mortalidade ao passo que os graus mais leves não mudaram o prognóstico.

Conclusão

No estudo EXCEL, os infartos periprocedimento foram mais comuns após a cirurgia que após a angioplastia para tratar o tronco da coronária esquerda, o que se associou claramente a um aumento da mortalidade após 3 anos. Somente em um infarto extenso (CK-MB ≥ 10) foi constatado impacto prognóstico.

Título original: Impact of large periprocedural myocardial infarction on mortality after percutaneous coronary intervention and coronary artery bypass grafting for leftmain disease: an analysis from the EXCEL trial.

Referência: Ori Ben-Yehuda et al. European Heart Journal (2019) 0, 1–12.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top