ESC 2020 | A rivaroxabana pode reduzir os eventos cardíacos, cerebrais e periféricos

Agregar rivaroxabana ao tratamento padrão pode reduzir a incidência de eventos em membros inferiores bem como de eventos cardíacos e cerebrais em pacientes com doença vascular que receberam revascularização. 

ESC 2020 | El Rivaroxaban puede reducir los eventos cardíacos, cerebrales y periféricos

Estes novos dados surgiram da análise de subgrupos do VOYAGER PAD e foram apresentados no congresso virtual da ESC 2020.

O estudo COMPASS chegou a conclusões similares administrando 2,5 mg de rivaroxabana 2 vezes ao dia somada a aspirina como monoterapia. 

O VOYAGER PAD levou a outro nível o potencial da rivaroxabana mostrando uma redução dos eventos em membros inferiores, inclusive em pacientes sem doença coronariana conhecida. 

Em pacientes com doença coronariana conhecida (e, portanto, com um risco basal maior) a redução de eventos cardiovasculares e cerebrovasculares se manteve dentro dos parâmetros esperados. 


Leia também: ESC 2020 | Dapagliflozina em insuficiência renal: a droga continua conquistando outros territórios.


A rivaroxabana é uma opção para pacientes selecionados com doença vascular periférica e coronariana (população similar à do COMPASS) e para aqueles com revascularização recente de membros inferiores com doença coronariana concomitante. 

Para chegar a essas conclusões o VOYAGER PAD incluiu 6564 pacientes com doença sintomática de membros inferiores que foram submetidos a revascularização nos 10 dias prévios. Os pacientes foram randomizados a 2,5 mg duas vezes ao dia de rivaroxabana vs. placebo e ambos os braços receberam 100 mg de aspirina. 

A subanálise apresentada faz foco em 2067 pacientes do estudo que tinham doença coronariana concomitante. 


Leia também: ESC 2020 | Infarto agudo e anemia: a transfusão é necessária?


O desfecho (combinação de isquemia aguda de membro inferior, amputação maior de etiologia vascular, AVC isquêmico, infarto e morte cardiovascular) ocorreu em 18,9% dos que receberam rivaroxabana vs. 24,3% do grupo placebo em 3 anos de seguimento (HR 0,78; IC 95% 0,64-0,95).

Para os pacientes sem doença coronariana houve uma tendência ao benefício, mas sem alcançar a significância (16,1% vs. 17,9%; HR 0,89; IC 95% 0,77-1,04).

Título original: Efficacy and safety of rivaroxaban in patients with PAD undergoing revascularization with and without coronary artery disease.

Referência: Hiatt W, et al. Presentado en el congreso de la ESC 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top