ESC 2020 | Novas diretrizes europeias sobre síndromes coronarianos agudos sem elevação do ST: que novidades surgem?

As novas diretrizes europeias sobre síndromes coronarianas agudas SEM elevação do segmento ST (SCA sem ST) foram apresentadas de forma virtual durante o congresso da ESC 2020 e publicadas no Eur Heart J. 

Há novidades quanto a agilizar o diagnóstico de infarto, ao uso de imagens não invasivas, a simplificar a anticoagulação, aos infartos com coronárias normais, etc. 

Após anos sem novidades e com muita informação para incorporar, finalmente as diretrizes europeias foram atualizadas agrupando novos conceitos e reformulando o diagnóstico e o tratamento desses pacientes. 

Em primeiro lugar foi formulado um novo algoritmo para o diagnóstico dos pacientes com suspeita de SCA sem ST colocando ênfase nas troponinas ultrassensíveis que não estavam difundidas na versão do ano 2015.

A análise de troponinas ultrassensíveis deve ser feita entre a hora 0 e 1 da admissão em todos os pacientes com suspeita para poder confirmar ou descartar o diagnóstico dentro das 2 horas. 


Leia também: ESC 2020 | A disfunção ventricular pode inclinar a balança para decidir a revascularização.


Outra novidade é agregar o uso de imagens não invasivas nos pacientes de baixo risco. A angiografia por tomografia pode evitar uma coronariografia convencional em até 30% dos pacientes. 

A angiografia por tomografia recebe agora uma indicação classe IA como uma alternativa à coronariografia convencional para excluir o diagnóstico de síndrome coronariana aguda em pacientes com probabilidade baixa ou intermediária de doença coronariana, somando-se a troponina ultrassensível e eletrocardiogramas normais ou não concludentes. 

A terceira grande novidade é a ênfase na estratificação dos pacientes para poder realizar um tratamento mais rápido. Nas versões prévias havia 4 escalas de risco que agora se reduziram a 3 para simplificar. 

  • Muito alto risco: pacientes que devem chegar à sala de hemodinâmica dentro das 2 horas. São aqueles com instabilidade hemodinâmica, choque cardiogênico, angina refratária ou recorrente apesar do máximo tratamento médico, arritmias que colocam a vida em perigo, complicações mecânicas, insuficiência cardíaca aguda e infradesnivelamento do segmento ST > 1 mm em 6 derivações, somado a supradesnivelamento em aVr e/ou V1. 
  • Alto risco: estes pacientes requerem manejo invasivo dentro das 24 horas. Durante dito período a tomografia é uma alternativa que pode evitar a coronariografia posterior. Alterações dinâmicas do ST em derivações contíguas (silentes ou sintomáticas), escore de risco Grace > 140 e ressuscitação de parada cardíaca ou choque cardiogênico SEM supradesnivelamento do segmento ST. 
  • Baixo risco: Todos aqueles que não cumpram nenhum dos critérios anteriores. Nestes pacientes o manejo invasivo pode ser seletivo. 

Outra das novidades se centra no momento de administrar os antitrombóticos. Sugere-se evitar o pré-tratamento quando está formulada uma estratégia invasiva. Esta medida visa a evitar uma potente antiagregação plaquetária em um pacientes no qual ainda se desconhece a anatomia coronariana. 


Leia também: ESC 2020 | Dapagliflozina em insuficiência renal: a droga continua conquistando outros territórios.


A todas estas novidades somam-se seções especiais para pacientes com infarto e coronárias sem lesões (MIMOCA), dissecção coronariana espontânea e cuidados após a alta. 

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: 2020 ESC guidelines for the management of acute coronary syndromes in patients presenting without persistent ST-segment elevation.

Referência: Collet J-P et al. Eur Heart J. 2020; Epub ahead of print y presentadas en forma virtual en el ESC 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top