ESC 2020 | Infarto agudo e anemia: a transfusão é necessária?

Em pacientes cursando um infarto agudo do miocárdio e com anemia uma estratégia restritiva com relação às transfusões é tão segura quanto uma mais liberal e, além disso, é mais econômica em termos de custos. O ponto de corte para decidir uma transfusão seria < 8g/dl de hemoglobina. 

Infarto agudo y anemia ¿es necesaria la transfusión?

Os resultados deste trabalho chamado REALITY foram apresentados durante as sessões científicas virtuais do ESC 2020.

A anemia é relativamente comum nos pacientes que são admitidos por um infarto agudo do miocárdio (entre 5% e 10%).

Existem estudos prévios randomizados que comparam diferentes estratégias no contexto de uma cirurgia ou de um sangramento digestivo mas os pacientes cursando um infarto foram historicamente excluídos. 

O estudo REALITY foi realizado na França e na Espanha, incluindo 630 pacientes cursando um infarto agudo do miocárdio cuja hemoglobina se situou entre 7 e 10 gr/dl durante toda a internação. 

Os pacientes foram randomizados a uma estratégia (corte < 8 gr/dl com um objetivo de entre 8 e 10 gr/dl) ou a uma estratégia mais liberal (corte < 10 gr/dl com um objetivo > a 11 gr/dl). 


Leia também: ESC 2020 | A disfunção ventricular pode inclinar a balança para decidir a revascularização.


Essas estratégias foram mantidas até a alta ou até os 30 dias (o que ocorresse primeiro). 

A transfusão foi permitida sem importar a estratégia nos casos da existência de sangramento ativo, caso se suspeitasse de uma queda importante que não permitisse esperar o resultado da análise ou se o paciente entrava em choque. 

Com a estratégia restritiva 35,7% dos pacientes receberam ao menos uma transfusão em comparação com 86,7% da estratégia liberal. 


Leia também: ESC 2020 | Dapagliflozina em insuficiência renal: a droga continua conquistando outros territórios.


A segurança foi idêntica entre ambos os grupos, mas os que foram submetidos a uma estratégia restritiva tiveram menos infecções (0% vs. 1,5%) e menos injúria pulmonar (0,3% vs. 2,2%; p = 0,03 para ambas). 

O desfecho primário combinado (morte, reinfarto, AVC e revascularização de emergência) foi de 11% para a estratégia restritiva vs. 14% para a conservadora. 

Além disso, a estratégia restritiva foi mais econômica em termos de custos e de uso de recursos hospitalares. 

Título original: REALITY – a randomized trial of transfusion strategies in patients with myocardial infarction and anemia: 30-day results.

Referência: Steg PG et al. Presentado en forma virtual en ESC 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top