AHA 2020 | O risco aumenta quando os operadores não “escutam” o FFR

Quando a decisão de avançar com uma angioplastia é tomada apesar do resultado negativo do FFR (algo frequente na prática clínica diária) os resultados em 5 anos são muito piores. Esta informação surge de um grande registro canadense que foi apresentado nas sessões científicas da AHA 2020 e simultaneamente publicado no JAMA.

AHA 2020 | El riesgo aumenta cuando los operadores no “escuchan” al FFR

Realizar uma angioplastia em uma lesão não isquêmica aumentou o risco de eventos a longo prazo na mesma medida que prescrever apenas tratamento médico em uma lesão isquêmica. 

Tanto as diretrizes americanas quanto as europeias enfatizam a necessidade de utilizar o FFR para guiar a revascularização de lesões intermediárias. Apesar desta clara definição, na prática clínica diária esta diretriz está longe de ser cumprida. 

Os pesquisadores do presente trabalho especulavam com o fato de que realizar angioplastias em lesões severas com FFR negativo não seria um problema maior. Eventualmente, só aumentariam os custos para o sistema de saúde. No entanto, observa-se claramente um aumento dos eventos. 

O registro incluiu 9106 pacientes (idade média de 65 anos) que receberam FFR só em um vaso entre 2013 e 2018. Foram incluídos pacientes com infarto com supradesnivelamento do segmento ST ou lesão do tronco da coronária esquerda.


Leia também: AHA 2020 | AFFIRM-AHF: Suplementação com ferro e menos hospitalizações por insuficiência cardíaca.


Globalmente, 30% dos pacientes mostraram lesões isquêmicas (FFR ≤ 0,8) e 70% apresentaram lesões não isquêmicas.

No grupo isquêmico, 75% dos pacientes foram submetidos a angioplastia e 25% receberam tratamento médico apesar do resultado positivo do FFR. Neste grupo, a angioplastia reduziu o desfecho primário de morte, infarto, angina instável ou revascularização urgente (31,5% vs. 39,1%; HR 0,77; IC 95% 0,63-0,94).

Por outro lado, 87,4% dos pacientes com lesões não isquêmicas receberam tratamento médico e 12,6% receberam angioplastia apesar do FFR negativo. Esta intervenção desnecessária foi associada a um aumento significativo dos eventos em 5 anos (33,3% vs. 24,4%; HR 1,37; IC 95% 1,14-1,65).


Leia também: AHA 2020 | As estatinas confirmam seu benefício na população idosa.


O interessante deste trabalho é que o FFR foi realizado mas a decisão foi tomada sem considerar o resultado da medição. O mais frequente na prática clínica é que o FFR não seja utilizado por um excesso de confiança na angiografia. 

Dedicar tempo à medição do FFR para depois não seguir o seu resultado chama a atenção, mas, sem dúvida, pode haver muitas razões válidas. 

O FFR não é binário e existem múltiplos fatores que um operador pode considerar na hora de decidir por uma revascularização.

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Association Between Adherence to Fractional Flow Reserve Treatment Thresholds and Major Adverse Cardiac Events in Patients With Coronary Artery Disease.

Referência: Maneesh Sud et al. JAMA. Published online November 13, 2020. doi:10.1001/jama.2020.22708 y presentado en el congreso AHA 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

(Visited 1 times, 1 visits today)

*

Top