AHA 2020 | RIVER: Rivaroxabana como alternativa à varfarina em pacientes com fibrilação atrial e prótese mitral biológica

O rivaroxabana parece ser uma alternativa razoável à varfarina em pacientes com fibrilação atrial e prótese mitral biológica. Estes resultados surgem do estudo RIVER apresentado no congresso AHA 2020 e simultaneamente publicado no NEJM.

AHA 2020 | RIVER: Rivaroxaban como alternativa a la warfarina en pacientes con fibrilación auricular y protesis mitral biológica

Depois de 5 anos de acompanhamento, o rivaroxabana alcançou o critério de não inferioridade em relação ao desfecho primário de morte, eventos cardiovasculares maiores ou sangramento maior.

Os eventos clínicos e hemorrágicos foram numericamente mais baixos no braço rivaroxabana, mas sem alcançar a significância. Foram observados 5 casos de trombose valvar com rivaroxabana e 3 casos com varfarina.

Estudos como o ROCKET-AF – que foram cruciais para introduzir os inibidores diretos na prática clínica diária – excluíram especificamente pacientes com próteses valvares. 

O RIVER foi um estudo aberto de não inferioridade em 49 centros do Brasil que incluiu 1005 pacientes com fibrilação atrial ou palpitação (96% fibrilação atrial) que foram submetidos a cirurgia de troca valvar mitral com bioprótese em 48 horas após a randomização. A média do escore CHA2DS2-VASc foi de 2,6.


Leia também: AHA 2020 | Em grande parte as imagens encontram a causa da MINOCA.


A randomização foi a rivaroxabana 20 mg (15 mg no caso de insuficiência renal) vs. varfarina ajustada a um RIN de 2 a 3. A faixa adequada de anticoagulação com varfarina foi alcançada em 65,5% do tempo.

O desfecho primário foi uma combinação de morte, AVC, acidente isquêmico transitório, embolia sistêmica, trombose valvar, hospitalização por insuficiência cardíaca ou sangramento maior.

A taxa do desfecho primário em um ano foi de 9,4% para rivaroxabana vs. 10,3% para varfarina.


Leia também: AHA 2020 | O clopidogrel persiste como a melhor opção em pacientes eletivos.


Morte e eventos tromboembólicos foram numericamente mais baixos para rivaroxabana (3,4% vs. 5,1%; HR 0,65; IC 95% 0,35-1,20). A taxa de AVC foi significativamente mais baixa com rivaroxabana (0,6% vs. 2,4%; HR 0,25; IC 95% 0,07-0,88), embora este dado deva ser lido com prudência devido à baixa taxa de eventos e ao grande intervalo de confiança.

Os sangramentos maiores foram de 1,4% com rivaroxabana vs. 2,6% com varfarina (HR 0,54; IC 95% 0,21-1,35).

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: Rivaroxaban in patients with atrial fibrillation and a bioprosthetic mitral valve.

Referência: Guimarães HP et al. N Engl J Med. 2020 Nov 14. doi: 10.1056/NEJMoa2029603. Online ahead of print. Y presentado simultáneamente en el congreso AHA 2020.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

*

Top