ESC 2018 | ASCEND: Aspirina para prevenção primária em diabéticos não supera o custo/benefício

Este trabalho observou claramente o risco evidente de sangramento provocado pela aspirina, e questiona a indicação da aspirina para fazer prevenção primária em pacientes diabéticos.

ASCEND: Aspirina para prevención primaria en diabéticos no pasa el costo/beneficioSegundo o estudo ASCEND, apresentado no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) e publicado simultaneamente no NEJM, a aspirina reduz os eventos cardiovasculares no contexto de prevenção primária, mas o custo em termos de sangramentos maiores é excessivamente alto e não respalda seu uso em dito contexto.

 

Com um seguimento de 7,4 anos, a aspirina reduziu os eventos cardiovasculares maiores de 9,6% nos pacientes que receberam placebo para 8,5% naqueles que receberam AAS (OR 0,88; IC 95% 0,79-0,97). Entretanto, aumentou o risco de sangramentos maiores de 3,2% nos pacientes que receberam placebo para 4,1% no grupo AAS (HR 1,29; IC 95% 1,09-1,52).


Leia também: ESC 2018 | ARRIVE: a aspirina no olho da tormenta da prevenção primária.


Não foi encontrado um subgrupo de pacientes no qual o benefício justificasse amplamente o risco. Além disso, a AAS não reduziu a ocorrência de nenhum tipo de câncer durante o período de seguimento, diferentemente do que tinham observado os primeiros (e velhos) trabalhos com esta droga.

 

A maior parte dos 15.840 pacientes incluídos no estudo teve um controle satisfatório dos outros fatores de risco, com alto uso de estatinas e anti-hipertensivos, um bom controle da glicemia e baixa taxa de tabagismo. Tudo isso pode ter sido fundamental para explicar a diferença com os primeiros trabalhos.

 

Os resultados deste trabalho provavelmente tenham impacto nos dois lados do oceano Atlântico, já que os guias americanos de 2015 (AHA e da Sociedade Americana de diabetes) indicam a aspirina como tratamento razoável (salvo contraindicação) para pacientes com diabetes tipo 2.


Leia também: ESC 2018 | CLARIFY: Não há benefício na sobrevida com betabloqueadores no seguimento de um ano após infarto.


Ao contrário, os guias europeus de prevenção cardiovascular de 2016 fizeram uma recomendação classe III para o uso de antiplaquetários (incluindo a AAS) em pacientes com diabetes e sem antecedentes cardiovasculares.

 

O ASCEND, com um desenho fatorial de 2×2, incluiu pacientes com mais de 40 anos, com diabetes, e sem evidência de doença cardiovascular de base. Os pacientes foram randomizados para aspirina 100 mg com revestimento entérico por dia versus placebo, e para o suplemento de 1 g de ômega 3 ou placebo.

 

Título original: Effects of aspirin for primary prevention in persons with diabetes mellitus.

Referência: Apresentado por Jane Armitage no ESC e publicado simultaneamente no New Engl J Med. 2018; Epub ahead of print.

 

Descargar (PDF, Unknown)


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top