Novas diretrizes de valvopatias com importantes atualizações em TAVI e insuficiência mitral

As diretrizes para o manejo das valvopatias foram atualizadas na semana passada pela associação entre a AHA e o ACC

Nuevas guías de valvulopatías con actualizaciones clave en TAVI e insuficiencia mitral

A última versão completa publicada era do ano 2014 e, nesse sentido, muitos temas tinham ficado obsoletos à luz da grande quantidade de evidência que surgiu nos últimos anos. 

Provavelmente a incorporação mais importante tenha sido fruto dos trabalhos chave que fizeram com que a FDA aprovasse o TAVI em pacientes de baixo risco.   

Também foi incorporada a última evidência com seguimentos mais longos de pacientes inoperáveis de risco alto e intermediários, como o SURTAVI (risco intermediário), o PARTNER A (alto risco), o PARTNER B (inoperáveis), o PARTNER 2 (risco intermediário), o CoreValve (alto risco) e o NOTION (risco intermediário e baixo). 

Infelizmente não chegou a ser incorporada a evidência do POPular TAVI, que é o mais recente em anticoagulação pós-procedimento. 


Lea también: Desafíos pendientes con el acceso radial.


Algo que não impacta no prognóstico dos pacientes mas, sim, na forma na qual nós, médicos, nos comunicamos, foi mudar o termo troca valvar (TAVR) por implante valvar (TAVI), levando em consideração o fato de a valva nativa continuar em seu lugar, diferentemente do que ocorre com as cirurgias. Assim, os termos se homogeneízam em ambos os lados do Atlântico, já que a Europa utilizou o acrônimo TAVI desde o princípio. 

Também foi incluída a evidência do COAPT e a do MITRA-FR para atualizar o tratamento da insuficiência mitral. 


Leia também: Imagens intravasculares, a abordagem universal para a otimização das angioplastias.


Como resumo, repassamos os 10 pontos mais importantes das diretrizes, com o objetivo de despertar a curiosidade para ler o documento completo que anexamos no final deste artigo. 

  • As valvopatias devem ser classificadas de acordo com os sintomas, a anatomia valvar, a disfunção valvar e a circulação ventricular/pulmonar. 
  • Tudo deve ser levado em consideração. A história clínica e o exame físico para começar e continuar com estudos não invasivos básicos como o eletrocardiograma, a radiografia de tórax e o ecocardiograma transtorácico. Em caso de dúvidas ou resultados discordantes prossegue-se com estudos não invasivos como a tomografia, a ressonância magnética, o ecocardiograma transesofágico ou os testes de estresse. Um estudo invasivo será necessário para definir a anatomia coronariana que pode inclinar a balança a favor de uma ou outra estratégia. 
  • Para a maioria dos pacientes com valvopatias e fibrilação atrial deve-se utilizar CHA2DS2-VASc para guiar a escolha do tratamento anticoagulante. Ficam excetuados os pacientes com estenose mitral reumática ou próteses mecânicas (em especial se a isso se somar a fibrilação atrial) nos quais a única opção são os antagonistas da vitamina K. 
  • Todas as valvopatias severas consideradas para intervenção devem ser avaliadas por uma equipe multidisciplinar. 
  • A intervenção sobre a estenose aórtica deve se basear fundamentalmente nos sintomas e na função ventricular. Uma intervenção precoce pode ser considerada à luz dos resultados dos testes de esforço, de biomarcadores, de uma progressão muito rápida ou da presença de uma estenose crítica. 
  • Com a expansão do TAVI a escolha de tratamento para a estenose aórtica deve ser feita tendo como base o risco para o resto da vida e os benefícios associados à válvula em si (biológica vs. mecânica) e ao procedimento (TAVI vs. cirurgia). 
  • A decisão para intervir em uma valva com insuficiência se sustenta na possibilidade de aliviar sintomas e prevenir um efeito deletério irreversível na função ventricular. Com base nos procedimentos que mostraram benefícios a mais longo prazo e menor risco agudo é aconselhável reduzir o limiar de intervenção. 
  • A reparação mitral borda a borda pode beneficiar pacientes muito sintomáticos com insuficiência mitral degenerativa e risco cirúrgico alto ou inaceitável bem como um grupo seleto de pacientes com insuficiência mitral funcional sintomática apesar de todo o tratamento médico ótimo para insuficiência cardíaca. 
  • A intervenção cirúrgica sobre a insuficiência tricúspide severa sintomática pode melhorar os sintomas e reduzir as hospitalizações se se realizar antes da deterioração da função do ventrículo direito ou antes de a função hepática ou renal começar a falhar. 
  • Tratar a disfunção de uma prótese biológica por cateter é razoável em pacientes selecionados. A disfunção pode se dever à degeneração das valvas ou a uma regurgitação paravalvar sem infecção ativa. 

Descargar (PDF, Unknown)

Título original: 2020 ACC/AHA guideline for the management of patients with valvular heart disease: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Joint Committee on Clinical Practice Guidelines.

Referência: Otto CM et al. Circulation. 2021;143:e00–e00. DOI: 10.1161/CIR.0000000000000923.


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?

(Visited 15 times, 15 visits today)

*

Top