Tag Archives: infarto agudo do miocárdio

tromboaspiracion angioplastia primaria

A tromboaspiração tem lugar na ATC primária atual?

A tromboaspiração tem lugar na ATC primária atual?

Em linhas gerais, a tromboaspiração no infarto agudo do miocárdio (IAM) não demonstrou benefício nos grandes estudos. Poderia, inclusive, chegar a ser prejudicial, já que foi associada com AVC. Existem, no entanto, certos cenários nos quais a presença de uma quantidade importante de trombos não nos permite alcançar um fluxo TIMI 3 adequado ou no

Devemos começar a usar OCT nos IAM sem lesões obstrutivas?

Nos infartos com supradesnivelamento do segmento ST, a angiografia continua sendo o método mais utilizado, mas como já sabemos, apresenta certas limitações, sobretudo quando se trata de lesões intermediárias ou dissecções coronarianas.  A utilização de métodos de imagens – especialmente os de alta resolução como a OCT – têm sido avaliados em alguns estudos, embora

El ticagrelor muestra beneficios en la función microvascular coronaria luego de un IAMSEST

Rivaroxabana para prevenção de trombo em ventrículo esquerdo após SCACEST

A incidência da trombose (LVT) após o IAM com elevação do segmento ST anterior (IAMCEST) varia entre 4% e 26% e se associa a uma má evolução a longo prazo. No passado, a terapia com esquema triplo (antagonista da vitamina K mais DAPT) era recomendada como prevenção da LVT, apesar de não existir evidência científica

El ticagrelor muestra beneficios en la función microvascular coronaria luego de un IAMSEST

O ticagrelor mostra benefícios na função microvascular coronariana após um IAMSEST

A disfunção microvascular coronariana (CMD) é um importante preditor prognóstico a longo prazo. O tratamento da CMD pode ser uma estratégia terapêutica efetiva para os pacientes que cursam uma síndrome coronariana aguda (SCA). No entanto, são necessários mais estudos para avaliar as diferentes estratégias de tratamento.  No estudo PLATO (Study of Platelet Inhibition and Patient

Resonancia vs FFR en lesiones no culpables del infarto

OCT em pacientes com SCACEST: é seguro utilizá-la para evitar implante de stent?

A angioplastia coronariana em pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) nos quais o mecanismo fisiopatológico é a erosão de placa ou os mecanismos não ateroscleróticos (como a dissecção coronariana espontânea) não seria benéfica segundo estudos recentes.  O estudo EROSION (Effective Anti-Thrombotic Therapy Without Stenting: Intravascular Optical Coherence Tomography–Based Management in Plaque Erosion) mostrou que

ACC 2022

ACC 2022 | estudo PACMAN AMI

As placas coronarianas que causam IAM frequentemente são de grande volume, alto conteúdo lipídico e uma fina camada fibrosa. O tratamento com estatinas diminui a progressão da aterosclerose mas o impacto do uso de inibidores de PCSK 9 (aloricumab) após a síndrome coronariana aguda não é bem recebido.  O objetivo deste estudo foi determinar o

Enquete para avaliar a reperfusão do Infarto do Miocárdio na América Latina

A Sociedade Latino-americana de Cardiologia Intervencionista, em conjunto com a Sociedade Interamericana de Cardiologia (SIAC) e a iniciativa Stent-Save a Life!, desenvolveu uma breve enquete (que não lhe tomará mais de 5 minutos responder) para conhecer como são tratadas as síndromes coronarianas agudas com supradesnivelamento do segmento ST na América Latina.  O objetivo final da

¿Cirugía bariátrica por cateterismo?

Será a revascularização coronariana útil em pacientes candidatos a transplante renal?

A doença cardiovascular é a principal causa de morte em pacientes com transplante renal funcionante, chegando a representar 30% dos óbitos, com a taxa mais alta no período peritransplante. Por sua vez, a incidência de infarto agudo do miocárdio (IAM) após um transplante renal é de 5% a 11%. Devido a isto, os candidatos a

Enquete sobre manejo do infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST na América Latina

Convocamos toda a comunidade latino-americana a participar desta enquete que visa a coletar informação de qualidade sobre o manejo do infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do ST na América Latina. Você não demorará mais de 5 minutos em responder à enquete, que é anônima e servirá para continuarmos conhecendo as diferentes realidades de tratamento

reserva fraccional de flujo sindrome coronario agudo

Escore de Zwolle: é possível que um escore de risco defina o lugar de estadia dos pacientes com SCACSST?

A mortalidade das síndromes coronarianas agudas com supradesnivelamento do segmento ST (SCACSST) tem diminuído devido a uma melhora nos tempos de reperfusão (fibrinólise ou angioplastia primária), motivo pelo qual, na prática diária, temos observado um maior número de pacientes cursando IAM de maneira estável.  Dita estabilidade clínica, juntamente com o baixo índice de complicações, traz

Top