ACC 2019 | AUGUSTUS: Apixaban e um inibidor do P2Y12 é a melhor combinação para FA e angioplastia

A aspirina incrementa o sangramento sem nenhum benefício isquêmico, mas uma tendência a mais tromboses de stents com o placebo garantem mais estudos.

Nuevo estudio demuestra que el ticagrelor y la aspirina disminuyen la tasa de eventosOs pacientes com fibrilação atrial que recebem anticoagulação e angioplastia coronariana com stent e continuam com aspirina apresentam um maior risco de sangramento sem benefício isquêmico algum.

 

O uso de um anticoagulante via oral (VO) não antagonista da vitamina K (NOAC) como o apixaban poderia reduzir o risco de sangramento e as hospitalizações em comparação com os clássicos inibidores da vitamina K. Para responder a esta pergunta, o estudo AUGUSTUS randomizou 4.614 pacientes.


Leia também: ACC 2019 | PARTNER 3: TAVI em baixo risco com menos eventos que a cirurgia em seguimento de um ano.


Este trabalho teve algumas particularidades: incluiu pacientes cursando uma síndrome coronariana aguda tratados medicamente (sem angioplastia) e teve um desenho de 2 por 2 para responder de maneira independente a 2 perguntas. 

 

Como parte do esquema triplo a aspirina foi ficando de lado desde a publicação do WOEST. No entanto, faltava mais evidência; o WOEST foi um estudo aberto que usou varfarina e contou com apenas 573 pacientes.

 

Ao ver toda a informação que temos hoje, nos pacientes anticoagulados que recebem angioplastia a resposta parece ser “menos é mais”.


Leia também: ACC 2019 | SAFARI: surpreendentemente, o acesso radial não oferece vantagens no infarto.


O apixaban mostrou um melhor perfil de segurança com o clopidogrel, e este esquema é provavelmente suficiente para a maioria, e talvez a estratégia por default.

 

O AUGUSTUS incluiu 4.614 pacientes de 33 países que tinham recebido angioplastia ou tinham sido internados por uma síndrome coronariana aguda. Todos estavam sob tratamento com um inibidor do receptor P2Y12 e foram randomizados a receber apixaban ou um inibidor da vitamina K além de aspirina ou placebo durante 6 meses.

 

O sangramento maior ou clinicamente relevante (desfecho primário) foi menos comum com o apixaban (10,5% vs. 14,7%; HR 0,69; IC 95% 0,58-0,81). Adicionalmente, a aspirina resultou em uma maior taxa de sangramento ao ser comparada com o placebo (16,1% vs. 9,0%; HR 1,89; IC 95% 1,59-2,24).


Leia também: ACC 2019 | POET: os antibióticos por via oral com bons resultados a longo prazo em endocardite.


Por outro lado, o apixaban teve vantagens em hospitalizações e morte (23,5% vs. 27,4%; HR 0,83; IC 95% 0,74-0,93).

 

Não se observaram diferenças em eventos isquêmicos em nenhum dos ramos do trabalho.

 

Título original: Antithrombotic therapy after acute coronary syndrome or PCI in atrial fibrillation.

Referência: Lopes RD et al. N Engl J Med. 2019; Epub ahead of print.

 

Descargar (PDF, Unknown)

Descargar (PDF, Unknown)


Gostaria de receber um resumo semanal com os últimos artigos científicos?








Sua opinião nos interessa. Pode deixar abaixo seu comentário, reflexão, pergunta ou o que desejar. Será mais que bem-vindo.

*

Top