Tag Archives: BMS

DES con polímero bioabsorbible vs Bare Metal Stents en angioplastia primaria

Cai o último bastião dos stents convencionais

Cai o último bastião dos stents convencionais

Múltiplos estudos provaram a segurança e eficácia dos stents farmacológicos (DES) em pacientes com alto risco de sangramento. Restava um último bastião para os stents convencionais (BMS): as pontes venosas.  Com evidência controversa e uma fisiopatologia diferente, muitos ainda discutiam a segurança dos DES em pontes venosas.  Este trabalho multicêntrico randomizou pacientes com lesões em

balon farmacologico

O primeiro balão eluidor de sirolimus provado em reestenose intrastent apresentou excelentes resultados

Houve muito progresso desde os estudos que mostraram mais de 40% de nova revascularização da angioplastia com balão convencional por reestenose de um stent BMS. Os stents farmacológicos chegaram para melhorar o problema, mas nunca alcançaram 0% de reestenose, motivo pelo qual surgiram tecnologias como os balões eluidores de paclitaxel, que mostraram uma eficácia razoável (reintervenções de entre 8% e

Los DES de última generación presentan mejores resultados en puentes venosos que los DES antiguos y BMS

Os DES de última geração apresentam melhores resultados em pontes venosas que os DES antigos e os BMS

Não há muitos dados que comparem os stents farmacológicos contemporâneos (DES) com a geração prévia de DES e com os stents convencionais (BMS) no contexto da angioplastia em pontes de veia safena de pacientes que foram submetidos a cirurgia de revascularização miocárdica.   O objetivo deste trabalho foi avaliar os resultados clínicos após uma angioplastia sobre uma ponte venosa em

Desempeño de los DES actuales ¿hay margen para mejorar?

Os DES de segunda geração apresentam menor mortalidade nas pontes venosas

Gentileza do Dr. Carlos Fava. As lesões nas pontes venosas, por suas características, sempre foram um ‘adversário’ difícil para as ATC. Embora os DES tenham demonstrado sua superioridade frente aos BMS nas coronárias, a questão não está bem esclarecida com relação às PV, e até mesmo em alguns estudos realizados com DES de primeira geração

Top