Tag Archives: doença coronariana

Debemos tener en cuenta a la isquemia crítica de MM II en el TAVI

Revascularização pré-TAVI: angiografia ou fisiologia?

Revascularização pré-TAVI: angiografia ou fisiologia?

Guiar a revascularização com fluxo fracionado de reserva (FFR) se associou com resultados favoráveis em comparação com a clássica condução angiográfica em pacientes em plano de receber um implante percutâneo da valva aórtica (TAVI).   Diante da completa falta de estudos randomizados, este trabalho observacional é o melhor que temos para guiar a revascularização em pacientes

THEMIS: eventos isquémicos y hemorrágicos en difícil equilibrio para el ticagrelor crónico

THEMIS: eventos isquêmicos e hemorrágicos em difícil equilíbrio para o ticagrelor crônico

O estudo THEMIS, publicado esta semana no NEJM, testou o ticagrelor administrado de forma crônica mais a aspirina em pacientes diabéticos com doença coronariana estável, mas sem história prévia de infarto ou AVC. A tentadora hipótese de diminuir os eventos isquêmicos choca contra a parede de um possível aumento de eventos hemorrágicos e torna difícil

Highlights TCT 2019

TCT 2019 | Angioplastia em lesões estáveis: antes do TAVI, durante o TAVI ou nunca?

Gentileza da SBHCI. Este interessante trabalho apresentado no TCT 2019 e simultaneamente publicado no Am J Cardiol nos diz que a angioplastia em lesões estáveis não parece reduzir o risco em pacientes com estenose aórtica severa que recebem implante percutâneo da valva aórtica (TAVI). Segundo os pesquisadores, a não ser que os pacientes tenham sintomas,

ESC 2019 | CLARIFY: Los síntomas predicen riesgo solamente en pacientes con infarto previo

ESC 2019 | CLARIFY: os sintomas predizem risco somente em pacientes com infarto prévio

O seguimento de 5 anos de pacientes com angina crônica estável (ou como agora chamam as diretrizes, “síndromes coronarianas crônicas”) indica que o risco de morte cardiovascular ou infarto não fatal é bastante baixo, mas que, para além disso, o controle dos fatores de risco é ainda muito precário. Esta informação surge do estudo CRARIFY,

Lesões coronarianas não obstrutivas e disfunção ventricular

Muitos pacientes chegam à sala de cateterismo para uma coronariografia diagnóstica no contexto de um ecocardiograma que mostra severo deterioro da função ventricular, inclusive estando o paciente ainda assintomático. Muitas vezes as coronárias são normais, mas em muitas outras ocasiões nos deparamos com doenças coronarianas que não justificam a severa disfunção ventricular. É comum que

La enfermedad coronaria funciona como un predictor a 30 días en el TAVI

Doença coronariana sem sintomas, a isquemia silente é a dor de cabeça dos cardiologistas

Necessitamos mais evidências que nos guiem no tratamento da isquemia silenciosa. A doença coronariana demonstrada, mas em ausência de sintomas objetiváveis é um problema para os cardiologistas, já que nestes casos os mesmos não contam com a suficiente evidência que oriente no corte do risco/benefício que justifique a revascularização. Revascularizar o resultado de um estudo

Doença coronariana em diabetes: os pacientes diabéticos têm uma progressão de placas muito maior

Os pacientes com diabetes mellitus experimentam uma significativa maior progressão de placas, especialmente as que têm características adversas. Ser homem e apresentar um volume basal de placa > 75% foi identificado como fator de risco independente para a progressão de ditas placas, especialmente este último fator, que triplicou o risco. O objetivo deste trabalho com

Top